DNS Amplification – O que é, e como se proteger

Um ataque de amplificação de servidor de nomes de domínio (DNS) é uma forma popular de negação de serviço distribuída (DDoS), na qual os invasores usam servidores DNS abertos publicamente acessíveis para inundar um sistema alvo com tráfego de resposta DNS. A técnica principal consiste em um invasor enviar uma solicitação de pesquisa de nome DNS para um servidor DNS aberto com o endereço de origem falsificado para ser o endereço do alvo. Quando o servidor DNS envia a resposta do registro DNS, ela é enviada ao destino. Os invasores normalmente enviam uma solicitação de tanta informação de zona quanto possível para maximizar o efeito de amplificação. 

Na maioria dos ataques desse tipo, as consultas falsificadas enviadas pelo invasor são do tipo “ANY”, que retorna todas as informações conhecidas sobre uma zona DNS em uma única solicitação. Como o tamanho da resposta é consideravelmente maior que o da solicitação, o invasor consegue aumentar a quantidade de tráfego direcionado à vítima. Ao aproveitar uma botnet para produzir um grande número de consultas DNS falsificadas, um invasor pode criar uma quantidade imensa de tráfego com pouco esforço. Além disso, como as respostas são dados legítimos provenientes de servidores válidos, é extremamente difícil prevenir estes tipos de ataques. Embora os ataques sejam difíceis de impedir, os operadores de rede podem aplicar diversas estratégias de mitigação possíveis.

Embora a forma mais comum desse ataque observada pelo US-CERT envolva servidores DNS configurados para permitir resolução recursiva irrestrita para qualquer cliente na Internet, os ataques também podem envolver servidores de nomes autorizados que não fornecem resolução recursiva. O método de ataque é semelhante aos resolvedores recursivos abertos, mas é mais difícil de mitigar, pois mesmo um servidor configurado com as melhores práticas ainda pode ser usado em um ataque. No caso de servidores autoritativos, a mitigação deve se concentrar no uso do Response Rate Limiting para restringir a quantidade de tráfego.

Como detectar ataques de DNS Amplification: 

Às vezes é possível detectar um ataque de amplificação de reflexão antes que a quantidade de tráfego seja suficiente para impactar a disponibilidade do serviço. No entanto, este tempo de resposta rápido geralmente exige capacidade de resposta e monitoramento altamente agressivos, ou serviços oferecidos por um provedor de rede upstream.

Ferramentas comuns de monitoramento de rendimento de rede, incluindo SNMP, netflow e scripts personalizados, podem ajudar a chamar sua atenção para aumentos dramáticos na utilização de serviços ou de rede. O exame automatizado, qualitativo e em tempo real do tráfego de rede pode localizar um aumento inesperado em um tipo de protocolo que poderia ser utilizado para identificar um evento DoS de amplificação de reflexão quando ele começar. 

Como se defender contra ataques de amplificação de DNS

Embora os ataques de amplificação de DNS resultem em negação de serviço, eles não podem ser defendidos da mesma forma que os ataques DDoS tradicionais – por exemplo, bloqueando endereços IP de origem específicos – porque o tráfego de origem parece ser legítimo, vindo de DNS válido e publicamente acessível. Vale lembrar que bloquear todo o tráfego de resolvedores abertos poderia potencialmente bloquear algumas solicitações legítimas. As organizações podem, no entanto, podem tomar medidas drásticas para ajudar na defesa contra tais ataques.

Segurança de saída

Primeiro, as organizações devem garantir que todos os clientes (de servidores a dispositivos IoT) usem servidores DNS internos locais configurados para lidar apenas com solicitações de DNS dentro da organização. Em última análise, nenhum tráfego DNS deverá sair da rede da organização que não tenha sido originado desses servidores internos.

Muitos ataques, como DDoS, são possíveis porque os firewalls corporativos permitem que o tráfego destinado à Internet use endereços IP de origem falsificados. Normalmente, ao enviar tráfego para outro sistema, um dispositivo interno (em rede, como laptop, impressora, servidor, etc.) teria um endereço IP de origem interno, ou seja, um que correspondesse ao da rede interna. No entanto, no caso de dispositivos comprometidos, um invasor pode enviar tráfego usando um endereço IP público como origem falsificada. Firewalls de perímetro mal configurados podem permitir que esse tráfego passe para a Internet sem verificação. As organizações devem garantir que todo o tráfego originado na sua rede, com destino à Internet, tenha um endereço IP de origem que na verdade pertença à rede interna.

Segurança de entrada

Quaisquer respostas DNS que cheguem às redes de uma organização devem ser destinadas aos servidores DNS que lidam com solicitações de saída e nunca a quaisquer outros terminais. Dessa forma, a organização pode bloquear quaisquer respostas DNS que não sejam destinadas a esses servidores DNS. Usar um firewall com reconhecimento de DNS também pode ajudar, permitindo apenas o retorno do tráfego de volta para a rede a partir de solicitações que foram realmente enviadas aos servidores DNS locais da própria organização. Em outras palavras, deve haver uma solicitação DNS correspondente para cada resposta recebida, caso contrário o tráfego será bloqueado.

As organizações também podem usar o DNS Anycast, que distribui o volume de tráfego DNS entre servidores em vários locais, balanceando efetivamente a carga do tráfego DNS para que nenhum servidor fique sobrecarregado.

Além do acima exposto, se a quantidade de tráfego de entrada estiver saturando a conexão de rede, as organizações deverão trabalhar em estreita colaboração com seus ISPs para bloquear o tráfego upstream. Embora as soluções de ISP sejam frequentemente as mais baratas, normalmente são menos flexíveis. Por esse motivo, muitas organizações optam por usar um serviço de proteção DDoS de terceiros, o que aumenta as chances de um ataque ser interrompido antes de atingir a rede da organização.

Referências: 

  • https://brightsec.com/blog/dns-amplification-attack/
  • https://www.cisa.gov/news-events/alerts/2013/03/29/dns-amplification-attacks
  • https://www.geeksforgeeks.org/what-is-a-dns-amplification-attack/

Ataques IP Null – O que é, e como funciona o ataque?

Antes de entender o que é IP Null, precisamos entender primeiramente o que é uma Null Route (rota nula). 

O que é uma Null Route?

Uma null route, rota nula ou rota black hole é uma rota para um endereço IP que não leva a lugar nenhum. O motivo para criar uma rota nula para o seu endereço IP é evitar que o seu servidor receba ou envie dados pela Internet.

A rota nula é ativada para o endereço IP do servidor se forem detectados ataques DDoS. Usando isso, o servidor pode ser temporariamente desconectado da Internet para evitar danos a toda a infraestrutura e uso excessivo de largura de banda para um determinado servidor.

A conectividade normal com a Internet é restaurada automaticamente no servidor assim que o ataque DDoS é interrompido.

Agora que sabemos o que é uma Null Route, vamos entender os ataques de IP Null: 

O que é um ataque de IP Null: 

De acordo com os padrões RFC, os cabeçalhos dos pacotes IP devem conter informações do protocolo da camada de transporte no campo Protocolo. Quando o IP Null Attack é usado, os pacotes com valor nulo neste campo são enviados. É provável que roteadores e firewalls passem esse pacote como não classificado.

No entanto, como o valor nulo agora está reservado no campo “protocolo” para especificar a opção IPv6 Hop-by-Hop (HOPOPT), nem todo servidor pode aceitar e processar corretamente tal pacote. E se tais pacotes vierem em grande número, sua análise consumirá uma parte significativa dos recursos do sistema, até seu consumo total e falha do servidor.

Já no caso de TCP Null Attack, o servidor vítima recebe pacotes com parâmetros nulos no campo ‘flag’ do cabeçalho TCP, ou seja, nenhum dos 6 sinalizadores TCP (URG, ACK, PSH, RST, SYN, FIN) está definido. Via de regra, pacotes desse tipo são usados para verificar as portas do servidor antes de um ataque em grande escala.

Em um ataque IP NULL, os atacantes enviam pacotes pelo qual o campo de cabeçalho IPv4 usado para especificar qual protocolo de transporte está sendo usado em sua carga útil (por exemplo, TCP e / ou UDP) e define esse campo como um valor de zero. Os firewalls configurados apenas para TCP, UDP e ICMP podem permitir este tipo de pacote. Se esses pacotes chegarem como uma inundação, os recursos da CPU de um servidor vítima podem ser desperdiçados ao manipular esses pacotes.

E como posso me proteger? 

Como sabemos, o ataque de IP Null é classificado como um DoS que usa recursos do protocolo IP, fazendo com que o servidor desperdice seus recursos tentando processar os pacotes de maneira correta.

Uma das maneiras mais eficazes de se proteger contra ataques de IP Null é através da utilização de recursos Anti DDoS, que por sua vez podem detectar e bloquear ataques na borda, antes mesmo que as requisições alcancem sua infraestrutura de hospedagem. 

ROI e CyberSecurity: O que avaliar?

Líderes de Segurança da Informação (CISOs) e membros do conselho enfrentam um desafio crítico ao desenvolver programas de segurança robustos. A decisão sobre quais ferramentas realmente justificam o investimento em comparação com os custos de um ataque cibernético prejudicial é fundamental. Embora bem conhecidas, as possíveis repercussões de uma violação de dados ainda são alarmantes, com estimativas indicando que os danos causados por crimes cibernéticos atingirão $10 trilhões até 2025, em comparação com $4 trilhões em 2021.

A estratégia ampla de segurança cibernética é necessária para abordar riscos empresariais, além das normas regulatórias e preocupações com conformidade, como o LGPD. Isso motiva os conselhos a examinar de perto o cenário, recorrendo aos CISOs em busca de insights. O desafio para os CISOs está em selecionar as melhores ferramentas entre as muitas opções disponíveis e colaborar com o conselho e executivos seniores para implementá-las na organização.

É importante ressaltar que, ao contrário de muitos investimentos que oferecem uma relação direta de custo versus retorno ao longo do tempo, o ROI em cibersegurança não se traduz diretamente em ganhos financeiros. Em vez disso, representa uma medida preventiva essencial para evitar perdas significativas. O cálculo do retorno sobre o investimento (ROI) em segurança cibernética permite aos CISOs quantificar o valor de novos projetos de segurança para os membros do conselho, demonstrando o impacto financeiro do orçamento de segurança e como ele se alinha aos objetivos estratégicos globais do negócio. Essa abordagem não apenas promove tomadas de decisões mais rápidas, mas também estabelece uma visão clara de em quantos anos o investimento pode evitar prejuízos substanciais.

Calculando o ROI em Segurança Cibernética

A abordagem básica para calcular o ROI em segurança cibernética envolve a média do custo de um incidente multiplicado pelo número de incidentes que uma empresa pode experimentar em um determinado período. Com uma estimativa de despesas potenciais, as empresas podem avaliar se o preço da solução e a redução de incidentes que ela proporciona justificam o investimento.

Para calcular o ROI em segurança cibernética, podemos inicialmente utilizar uma fórmula simples: 

ROI = (Custo médio por incidente) X (Número de incidentes) – Custo da solução

No entanto, calcular o ROI em segurança cibernética é notoriamente desafiador, pois a equação deve representar questões além de cifras, incluindo possíveis perdas de propriedade intelectual, danos à reputação e interrupção nos negócios. Existem várias fórmulas para calcular o ROI em segurança cibernética, e pesquisas aprofundadas foram realizadas sobre o assunto. O livro “How to Measure Anything in Cybersecurity Risk”, de Douglas W. Hubbard e Richard Seiersen, é um exemplo recomendado para uma exploração aprofundada.

O ponto crucial é as violações serem caras. Calcular o ROI em segurança cibernética inicia uma conversa sobre se investir dinheiro antecipadamente para evitar uma grande interrupção supera a pequena probabilidade de uma violação significativa e seus custos subsequentes.

Benefícios de Calcular o ROI em Segurança Cibernética

Implementar um protocolo de segurança cibernética e calcular seu ROI tem benefícios substanciais. De acordo com um estudo recente da IBM, projeta-se que o custo médio de ciberataques aumentará para impressionantes $4,45 até 2023, refletindo um aumento significativo de 15% nos últimos três anos.

Além disso, 51% das organizações estão planejando reforçar seus investimentos em segurança em resposta a violações. Esses investimentos incluirão medidas abrangentes de resposta a incidentes, treinamento robusto de funcionários e implementação de ferramentas avançadas de detecção e resposta a ameaças.

Esses números destacam a importância de investir em medidas de segurança cibernética, e com os cálculos de ROI, vem uma avaliação e gerenciamento de riscos, ajudando as empresas a compreender o valor integral que essas medidas de segurança trazem na prevenção de danos colossais.

Lembre-se, os benefícios do cálculo do ROI não são isolados – eles se entrelaçam e se amplificam, criando uma estrutura de segurança cibernética abrangente e robusta.

Além dos benefícios mensuráveis, calcular o ROI em segurança cibernética desempenha um papel essencial no convencimento e obtenção de orçamento. Frequentemente, os profissionais de segurança enfrentam o desafio de comunicar a necessidade de investimentos em cibersegurança ao conselho administrativo e às lideranças. Ao apresentar cálculos de ROI, os responsáveis pela segurança podem articular de forma mais eficaz o impacto financeiro direto que a implementação de protocolos de segurança pode ter na organização.

Ao ressaltar o aumento projetado nos custos de ciberataques, as empresas podem compreender a urgência de alocar recursos adequados para salvaguardar seus ativos digitais. Além disso, o investimento em medidas preventivas e uma cultura sólida de cibersegurança não apenas protege contra ameaças imediatas, mas também estabelece as bases para uma postura defensiva proativa. Isso não apenas reduz o risco de incidentes, mas também promove a confiança dos stakeholders, reforçando a reputação da empresa no mercado.

Ao apresentar os benefícios tangíveis e intangíveis, o cálculo do ROI em segurança cibernética não apenas justifica o investimento, mas também se torna uma ferramenta persuasiva para os líderes empresariais. Compreender o valor abrangente dessas medidas não só protege contra danos colossais, mas posiciona a organização para um crescimento sustentável e resiliente em um cenário digital em constante evolução.

Avaliando e Priorizando Soluções de Segurança para o Gerenciamento de Riscos

Com inúmeras opções disponíveis, os CISOs enfrentam o desafio de decidir em quais soluções de segurança investir. Ao calcular o ROI, os CISOs podem comparar objetivamente diferentes opções e ter o controle de segurança adequado. Uma análise abrangente de ROI considera fatores como o custo total de implementação, a redução de riscos prevista e o impacto na eficiência operacional. Esse processo de avaliação permite que os CISOs e as equipes de segurança priorizem as soluções com base no retorno esperado do investimento.

Alcançando Tranquilidade e Resolução de Problemas

Um dos principais objetivos ao calcular o ROI em segurança cibernética é proporcionar aos CISOs tranquilidade e resolução de problemas. Ao entender o valor potencial de uma solução de segurança, os CISOs podem tomar decisões informadas sobre quais problemas ela resolverá e o nível de tranquilidade que proporcionará. Investimentos eficazes em segurança cibernética mitigam o risco de ameaças cibernéticas ou violações de dados e contribuem para a estabilidade operacional, proteção de dados e conformidade regulamentar.

Comunicando o Risco Cibernético ao Conselho

Para os CISOs, a comunicação eficaz com o conselho é crítica. Executivos de Segurança têm uma responsabilidade crescente nas decisões de cibersegurança, considerando os riscos regulatórios, de reputação e de negócios envolvidos. O cálculo dos gastos em segurança cibernética permite que os CISOs expressem a realidade do risco cibernético e forneçam ao conselho as informações necessárias para tomar decisões informadas. Apresentando números de ROI, CISOs e analistas de segurança podem destacar o risco financeiro e as implicações estratégicas de vários investimentos em segurança cibernética, fortalecendo sua capacidade de advogar por medidas de segurança eficazes com uma equipe e orçamento de segurança adequados internamente.

Alinhando a Segurança Cibernética com a Estratégia Global do Negócio

Para obter o suporte do conselho e garantir recursos adequados, os CISOs precisam alinhar a segurança cibernética com a estratégia global do negócio. Calcular o ROI permite que os CISOs demonstrem como o orçamento de segurança cibernética contribui para o aumento da eficiência da organização na proteção de dados, prevenção de ciberataques e conformidade com as últimas regulamentações. Quantificando o retorno potencial do investimento, os CISOs podem destacar o valor que medidas eficazes de segurança cibernética trazem em termos de reputação da marca, confiança do cliente e resiliência operacional. Esse alinhamento melhora a compreensão do conselho sobre a segurança cibernética como parte integrante dos objetivos estratégicos da organização.

WPSCAN e WPSEC – O que é, e como funcionam?

Na imensidão cibernética, onde a presença virtual é tão palpável quanto o mundo físico, a segurança da informação se torna uma questão crucial. Nesse cenário, o WordPress, uma das plataformas de gerenciamento de conteúdo mais utilizadas, não está imune a potenciais ameaças. É nesse contexto que surgem ferramentas como o WPScan e o WPSec, armas virtuais utilizadas para proteger o reino digital do WordPress.

WPScan: 

Imagine o WPScan como um arqueólogo digital especializado em desenterrar informações ocultas sobre uma fortaleza virtual. Sua função é vasculhar o terreno WordPress em busca de falhas de segurança, brechas que poderiam ser exploradas por invasores maliciosos. Essa ferramenta, de código aberto, realiza uma varredura minuciosa em busca de versões desatualizadas, plugins vulneráveis e configurações suscetíveis a ataques.

O WPScan não é apenas uma ferramenta de detecção passiva, mas também uma arma proativa na guerra cibernética. Ele não apenas identifica as vulnerabilidades, mas também fornece informações detalhadas sobre possíveis exploits, permitindo que os administradores fortaleçam suas defesas digitais.

WPSec:

Enquanto o WPScan age como um explorador destemido, o WPSec atua como um guardião silencioso, monitorando as paredes do castelo WordPress para evitar invasões. Esta ferramenta trabalha de maneira proativa, mantendo uma extensa base de dados de vulnerabilidades conhecidas no ecossistema WordPress.

O WPSec opera com uma abordagem preventiva, alertando os administradores sobre possíveis riscos antes que se tornem uma ameaça real. Ele não apenas identifica as vulnerabilidades, mas também fornece sugestões e medidas corretivas para mitigar os riscos detectados. Em essência, o WPSec é o sentinela virtual que vela pelo sono tranquilo do WordPress.

O equilíbrio nas defesas do WordPress: 

O casamento entre o WPScan e o WPSec representa a sinergia ideal para manter a fortaleza digital do WordPress a salvo. Enquanto o WPScan desempenha o papel de atacante virtual, desvendando as fraquezas ocultas, o WPSec age como o defensor vigilante, impedindo que essas fraquezas se transformem em ameaças reais.

A implementação dessas ferramentas não é apenas uma escolha sábia, mas uma necessidade premente no universo digital em constante evolução. A segurança do WordPress não é uma questão de opção, mas uma obrigação para aqueles que desejam manter a integridade de seus conteúdos digitais.

WPScan: As duas faces da moeda – Defesa e Ataque

O WPScan, apesar de ser uma ferramenta concebida para identificar e corrigir vulnerabilidades no WordPress, possui uma dualidade inerente. Esta mesma ferramenta, que é frequentemente empregada por administradores de sistemas para fortalecer suas defesas digitais, pode, em mãos erradas, ser utilizada por hackers com intenções maliciosas.

Hackers habilidosos podem explorar o WPScan para vasculhar websites WordPress em busca de fraquezas, versões desatualizadas, ou plugins com falhas de segurança conhecidas. A ferramenta fornece uma visão detalhada das vulnerabilidades, dando aos atacantes informações valiosas para planejar e executar ataques cibernéticos.

Portanto, enquanto o WPScan é uma arma crucial na artilharia digital dos defensores da segurança, é imperativo que os administradores estejam atentos ao seu potencial uso indevido. A consciência dessas dualidades destaca a importância de implementar contramedidas robustas e manter uma vigilância constante para proteger o WordPress contra possíveis explorações.

Utilizando Bot Mitigation para mitigar WPSCAN e WPSEC:

Bots, sejam maliciosos ou não, podem impactar negativamente a performance de aplicações web, consumir recursos desnecessários, e até mesmo comprometer a integridade e segurança dos dados.

Na GoCache é possível bloquear por padrão bots do WPSCAN e WPSEC dentro de nossa ferramenta de bot mitigation.

Hydra Brute Force: O que é e como funciona?

Com a crescente complexidade das senhas e a diversificação de métodos de autenticação, os hackers desenvolveram diversas técnicas para comprometer a segurança de sistemas e contas online. Uma dessas técnicas é conhecida como “Hydra Brute Force”. Neste artigo, vamos explorar o que é o Hydra Brute Force, como funciona e como se proteger contra esse tipo de ataque.

O que é Hydra Brute Force?

O Hydra é uma poderosa ferramenta de teste de penetração e segurança, amplamente utilizada para ataques de força bruta. Projetada para avaliar a robustez de sistemas de autenticação, como senhas, o Hydra permite a automação de tentativas de login, testando diversas combinações de credenciais em busca de vulnerabilidades. Embora tenha aplicações legítimas em testes de segurança, é crucial usá-la de maneira ética e autorizada, evitando atividades ilegais ou não.

O termo “Hydra Brute Force” refere-se a um tipo de ataque de força bruta usado por hackers para obter acesso não autorizado a sistemas protegidos por senha. A palavra “Hydra” é uma referência à mitologia grega, onde a Hidra de Lerna era uma serpente de várias cabeças. Da mesma forma, o ataque Hydra Brute Force envolve a tentativa de várias combinações de senhas para encontrar aquela que concederá acesso.

O Hydra Brute Force é implementado por meio de programas automatizados que tentam diversas combinações de nomes de usuário e senhas em um curto período de tempo. Esses programas utilizam listas extensas de senhas comuns, dicionários de palavras e outras variações na tentativa de adivinhar a combinação correta.

Como funciona o ataque Hydra Brute Force?

Coleta de Informações: Os hackers começam coletando informações sobre o alvo, como nomes de usuário, endereços de e-mail e outras informações relacionadas à conta que estão visando.

Seleção de Alvos: Com as informações coletadas, os hackers escolhem os alvos específicos que desejam comprometer.

Lista de Senhas: Eles utilizam programas como o Hydra para executar o ataque de força bruta. Esses programas normalmente empregam listas de senhas comuns, combinações de palavras e outros padrões previsíveis.

Iteração Rápida: O programa realiza iterações rápidas, tentando uma grande quantidade de combinações de nomes de usuário e senhas em um curto espaço de tempo.

Acesso Concedido: Se o programa encontrar a combinação correta de nome de usuário e senha, os hackers ganham acesso não autorizado à conta alvo.

Como se proteger contra o Hydra Brute Force?

Senhas Fortes: Utilize senhas fortes e únicas que incluam uma combinação de letras maiúsculas, minúsculas, números e caracteres especiais.

Autenticação de Dois Fatores (2FA): Ative a autenticação de dois fatores sempre que possível. Isso adiciona uma camada extra de segurança, mesmo se a senha for comprometida.

Bloqueio de Conta: Implemente medidas de bloqueio de conta após um número específico de tentativas de login malsucedidas para dificultar os ataques de força bruta.

Monitoramento de Atividades Suspeitas: Monitore atividades suspeitas e implemente sistemas de detecção de intrusões para identificar tentativas de acesso não autorizado.

Atualizações de Software: Mantenha todos os sistemas e software atualizados para garantir que vulnerabilidades conhecidas sejam corrigidas.

Em resumo, o Hydra Brute Force é uma técnica de ataque que destaca a importância de práticas de segurança robustas, como senhas complexas, autenticação de dois fatores e monitoramento contínuo. Ao adotar medidas proativas, é possível mitigar significativamente o risco de comprometimento da segurança.

Como a GoCache ajuda?

Bot Mitigation: A solução de bot mitigation da GoCache é capaz de identificar, classificar e bloquear acessos de bots que podem ser utilizados para tentativas de brute-force. 

Rate limit: A solução de Rate Limit da GoCache permite o bloqueio automático de taxas anormais de tentativa de logins ao limitar a quantidade máxima de requisições POST de um mesmo IP, durante um determinado período de tempo.

Firewall: O Firewall da GoCache permite a criação de regras granulares de bloqueios com possibilidade de combinar diferentes critérios de uma requisição HTTP como URL, IP, geolocalização, user-agent, entre outros. 

Edge Insights: O Edge Insights da GoCache entrega visibilidade total dos seus acessos e permite uma análise detalhada dos padrões de tentativas de logins. 

NIST – Cyber Security Framework: O que é?

O Framework de Cibersegurança do NIST (Instituto Nacional de Padrões e Tecnologia) é um guia útil para ajudar a proteger sistemas, redes e dados contra ameaças cibernéticas. 

Ele se concentra em cinco áreas principais para fortalecer a postura de segurança de uma organização: Identificar, Proteger, Detectar, Responder e Recuperar. Vamos dar uma olhada mais detalhada em cada uma dessas áreas:

Identificar: É o ponto de partida. Aqui, você precisa entender e mapear seus ativos, identificar vulnerabilidades, avaliar riscos e gerenciar todos os processos relacionados à segurança cibernética. Isso inclui conhecer os dados que você possui, os sistemas que os armazenam e quem tem acesso a eles.

Proteger: Após identificar seus ativos e riscos, o próximo passo é implementar medidas de proteção. Isso pode envolver o uso de controles de acesso, políticas de segurança, treinamento de funcionários, tecnologias de segurança da informação e práticas de segurança física e lógica para proteger contra ameaças.

Detectar: Este estágio visa identificar possíveis incidentes de segurança o mais rápido possível. Isso pode ser feito através de monitoramento constante, detecção de ameaças, análise de comportamento anômalo e sistemas de alerta precoce.

Responder: Aqui, é importante ter um plano de ação claro para lidar com incidentes de segurança. Isso inclui responder imediatamente a incidentes, mitigar danos, restaurar sistemas e minimizar o impacto nos negócios e na segurança.

Recuperar: Após um incidente, é crucial restaurar suas operações o mais rápido possível. Isso envolve a continuidade do negócio, análise pós-incidente e ajustes nos processos para evitar futuros problemas.

O Framework do NIST não é uma solução única para todos os problemas de segurança cibernética, mas fornece uma estrutura flexível e escalonável para ajudar organizações de todos os tamanhos a fortalecer sua postura de segurança.

É importante adaptar esses princípios às necessidades específicas de cada organização, já que as ameaças cibernéticas estão sempre evoluindo. Manter-se atualizado e revisar regularmente suas práticas de segurança é essencial para uma defesa eficaz contra ameaças cibernéticas.

Desafios de Segurança na Internet das Coisas (IoT)

A Internet das Coisas (IoT) trouxe uma revolução no modo como interagimos com a tecnologia, mas também apresenta desafios significativos em termos de segurança. Um dos grandes desafios está relacionado à volumetria para ataques de negação de serviço distribuído (DDoS) que podem surgir de dispositivos IoT vulneráveis, especialmente aqueles como dispositivos de IPTV e outros que frequentemente têm falhas de segurança.

Os dispositivos IoT muitas vezes são fabricados com o objetivo principal de facilitar a conectividade e a usabilidade, com a segurança sendo uma consideração secundária. Muitos desses dispositivos são configurados com senhas padrão fracas ou até mesmo sem qualquer método efetivo de proteção, o que os torna alvos fáceis para invasores.

Um dos cenários mais preocupantes é o potencial uso de dispositivos IoT comprometidos para formar botnets, redes de dispositivos controlados remotamente por cibercriminosos. Esses botnets podem ser usados para lançar ataques volumétricos de DDoS, nos quais uma grande quantidade de tráfego é direcionada a um alvo, sobrecarregando seus sistemas e tornando-os inacessíveis.

Os dispositivos de IPTV e outros gadgets IoT com vulnerabilidades representam uma ameaça, já que, quando explorados, podem ser recrutados para fazer parte de botnets sem o conhecimento do proprietário. Esses botnets podem ser direcionados a sites, serviços online ou redes corporativas, causando interrupções significativas ou até mesmo prejuízos financeiros.

Para mitigar esses desafios de segurança, é fundamental adotar práticas que incluam:

Atualizações regulares de segurança: Fabricantes e usuários devem garantir que os dispositivos IoT sejam atualizados com as correções de segurança mais recentes.

Políticas de senhas fortes: Configurar senhas robustas e únicas em todos os dispositivos IoT para evitar acessos não autorizados.

Segmentação de rede: Isolar os dispositivos IoT em redes separadas para limitar o acesso a sistemas críticos.

Monitoramento constante: Implementar sistemas de detecção para identificar comportamentos anômalos nos dispositivos IoT.

Conscientização e educação: Educar os usuários sobre os riscos de segurança e a importância de práticas seguras ao usar dispositivos IoT.

Em suma, o aumento do número de dispositivos IoT exige uma abordagem proativa para lidar com os desafios de segurança que surgem com essa expansão. A conscientização, a colaboração entre fabricantes e usuários, juntamente com práticas de segurança atualizadas, são essenciais para mitigar as vulnerabilidades e proteger contra ataques maliciosos originados a partir desses dispositivos.

Ferramentas de Host Discovery

Se você não tem conhecimento aprofundado sobre hospedagens e ambientes web, já deve ter se perguntado como os profissionais encontram recursos online e identificam potenciais vulnerabilidades? A resposta está nas ferramentas de descoberta de hosts, que desempenham um papel fundamental nesse processo.

O que são ferramentas de descoberta de hosts?

Essas ferramentas são utilizadas para localizar e identificar dispositivos conectados a uma rede, como servidores, computadores, dispositivos IoT e outros recursos online. Elas ajudam a mapear a infraestrutura digital, proporcionando informações valiosas para a segurança e administração de sistemas.

E quais as principais ferramentas de descoberta de hosts?

Censys: Esta ferramenta executa varreduras em larga escala na internet, identificando dispositivos e serviços expostos online, permitindo a visualização de informações de rede.

WhatWeb: É uma ferramenta de reconhecimento que identifica tecnologias utilizadas em sites, permitindo entender detalhes sobre o software e serviços em execução.

Masscan: Usado para realizar varreduras de portas em alta velocidade, identificando quais portas estão abertas em um host.

Ffuf: Uma ferramenta de descoberta de diretórios e arquivos em servidores web, comumente utilizada para testes de segurança.

Gobuster/Gobustew: Ferramentas utilizadas para descobrir diretórios e arquivos em servidores web, empregando listas de palavras-chave.

Feroxbuster: Similar ao Gobuster, ajuda na identificação de subdomínios e diretórios ocultos.

E qual ferramenta pode ajudar a mitigar ataques?

Em meio a essas práticas de descoberta de hosts, a segurança é essencial. A descoberta de hosts pode ser utilizada maliciosamente por bots e outras ameaças cibernéticas para identificar vulnerabilidades e explorar sistemas. É aí que entra o Bot Mitigation. Estas soluções são projetadas para identificar, monitorar e mitigar atividades suspeitas ou maliciosas, protegendo os sistemas contra ataques automatizados.

Conectando a descoberta de hosts com o Bot Mitigation:

Ao descobrir hosts e identificar potenciais vulnerabilidades, é crucial implementar medidas de segurança robustas. Nossa solução de Bot Mitigation é projetada para defender contra atividades de bots mal-intencionados, oferecendo uma camada adicional de segurança para seus sistemas. Ela detecta e mitiga efetivamente ameaças automatizadas, protegendo sua infraestrutura contra explorações e ataques.

Em resumo, as ferramentas de descoberta de hosts são vitais para compreender a infraestrutura online, enquanto o Bot Mitigation é essencial para proteger contra ameaças identificadas. Juntas, essas abordagens fortalecem a segurança de sistemas digitais, garantindo um ambiente mais seguro e protegido.

Principais Ferramentas Utilizadas em Web Scraping

Em um mundo onde os dados desempenham um papel crucial em estratégias de negócios, pesquisa e tomada de decisões, o Web Scraping se destaca como uma técnica valiosa para coletar informações na internet de forma automatizada. Essa prática permite a extração de dados de diferentes sites de maneira eficiente e organizada.

O que é Web Scraping?

Web Scraping, também conhecido como Web Harvesting ou Web Data Extraction, é o processo de coleta de informações disponíveis na internet. Isso é realizado por meio da extração e análise de conteúdo de sites, permitindo a obtenção de dados estruturados ou não estruturados para diversos fins. Desde análise de mercado e monitoramento de preços até coleta de informações para pesquisa, o Web Scraping é uma ferramenta valiosa para obter dados úteis de maneira automatizada.

Principais Ferramentas Utilizadas para Web Scraping:

Beautiful Soup: Uma biblioteca Python que auxilia na extração de dados de páginas web. Ela cria uma árvore de análise que pode ser navegada para buscar informações específicas de maneira simples e eficaz.

Scrapy: Um framework Python focado em extração de dados. Oferece uma estrutura poderosa para coleta de dados de maneira rápida e eficiente, sendo altamente customizável e flexível.

Selenium: Embora seja uma ferramenta voltada para automação de testes em navegadores, o Selenium é comumente utilizado para Web Scraping, permitindo a interação com páginas web de forma mais dinâmica, especialmente em sites que dependem de JavaScript.

Octoparse: Uma ferramenta de Web Scraping com uma interface amigável e intuitiva. Não requer habilidades avançadas de programação, o que a torna acessível para usuários iniciantes.

Puppeteer: Desenvolvido pelo Google, é uma biblioteca de Node.js que oferece controle sobre o Chrome ou Chromium, possibilitando a automação de ações em páginas web para extração de dados.

Apify: Uma plataforma que permite a criação de Web Scrapers personalizados e o monitoramento de websites, oferecendo uma gama de ferramentas para captura de dados.

ParseHub: Uma ferramenta de Web Scraping baseada em nuvem que facilita a extração de dados de sites complexos, oferecendo recursos de fácil utilização para usuários de diferentes níveis de experiência.

360Spider: O 360Spider é uma poderosa ferramenta de web scraping que se destaca pela sua versatilidade e facilidade de uso. Projetado para atender às necessidades dos profissionais de marketing digital, desenvolvedores e analistas de dados, o 360Spider oferece uma ampla gama de recursos, incluindo a capacidade de extrair dados estruturados de páginas da web complexas. Sua interface intuitiva e amigável permite aos usuários configurar facilmente tarefas de scraping, definir padrões de extração e automatizar o processo de coleta de dados. Além disso, o 360Spider suporta a raspagem em grande escala, tornando-o uma escolha ideal para projetos que envolvem a obtenção de informações detalhadas em grande volume.

Screaming Frog SEO Spider: O Screaming Frog SEO Spider é uma ferramenta renomada no campo do web scraping, especialmente focada em análise de SEO. Esta aplicação destaca-se por sua capacidade de fornecer uma visão abrangente da estrutura de um site, identificando rapidamente problemas de SEO, como links quebrados, meta tags ausentes e outros elementos cruciais para a otimização de motores de busca. O Screaming Frog SEO Spider é uma escolha popular entre os profissionais de marketing digital e especialistas em SEO devido à sua interface fácil de usar e recursos robustos. Com a capacidade de analisar grandes sites de forma eficiente, essa ferramenta oferece insights valiosos para melhorar a visibilidade online e a eficácia das estratégias de SEO.

Essas ferramentas de Web Scraping oferecem uma ampla gama de funcionalidades para coletar informações valiosas da internet de maneira automatizada. Cada uma possui seus próprios pontos fortes e é escolhida com base nas necessidades do projeto, nível de experiência do usuário e complexidade dos dados a serem extraídos.

No entanto, é importante ressaltar que ao realizar Web Scraping, é crucial conhecer e respeitar os termos de serviço dos sites visitados, para evitar violações de direitos autorais ou práticas antiéticas. Utilizar essas ferramentas de maneira ética e responsável é fundamental para garantir o respeito aos limites estabelecidos pelas plataformas online.

Como a GoCache ajuda?

A GoCache oferece dentro da sua suíte de segurança web uma solução de Bot Mitigation, a qual utiliza machine learning para correlacionar uma série de informações com objetivo de identificar e mitigar esse tipo de ataque web.

Basta ativar a solução no painel, e selecionar a ação que ele irá tomar para essa categoria.

A importância da educação em segurança cibernética para funcionários

Proteger nossas informações e sistemas contra ameaças virtuais é uma prioridade crítica para organizações de todos os setores. Nesse contexto, a educação em segurança cibernética para funcionários desempenha um papel crucial.

De acordo com relatórios recentes sobre segurança cibernética no Brasil, o país enfrenta um crescente número de ciberataques a organizações de todos os tamanhos e setores. Estima-se que as perdas econômicas causadas por incidentes cibernéticos atingiram cifras alarmantes nos últimos anos. O aumento das ameaças destaca a necessidade urgente de investir em educação em segurança cibernética para os funcionários.

Compreendendo o cenário digital atual

O cenário digital está em constante evolução, com ameaças cibernéticas cada vez mais sofisticadas e diversificadas. Funcionários bem educados em segurança cibernética são a primeira linha de defesa contra essas ameaças. Eles precisam entender os riscos, as melhores práticas e as medidas apropriadas para proteger os ativos digitais da organização.

A necessidade de conscientização e treinamento contínuos

A tecnologia muda rapidamente, e, com ela, as táticas dos atacantes. Manter os funcionários atualizados com os desenvolvimentos mais recentes em segurança cibernética é essencial. Isso envolve treinamento contínuo e conscientização para que possam reconhecer e responder adequadamente a novas ameaças.

Reduzindo o risco de vulnerabilidades internas

Muitas violações de segurança têm origem em práticas internas inadequadas. Funcionários que não são educados sobre segurança cibernética podem inadvertidamente abrir portas para invasões. A educação adequada reduz o risco de vulnerabilidades internas, proporcionando um ambiente mais seguro para as operações da organização.

Fomentando uma cultura de segurança cibernética

A educação em segurança cibernética ajuda a criar uma cultura organizacional de segurança. Quando os funcionários estão cientes dos riscos e entendem seu papel na proteção dos ativos digitais, estão mais propensos a adotar comportamentos seguros no dia a dia, contribuindo para um ambiente cibernético mais resiliente.

A importância do treinamento prático

Além do conhecimento teórico, é crucial proporcionar treinamento prático em segurança cibernética. Simulações de ataques, exercícios de resposta a incidentes e práticas de segurança em ambientes controlados ajudam os funcionários a desenvolver habilidades práticas, melhorando sua capacidade de reagir eficazmente a ameaças reais.

Em suma: 

Investir na educação em segurança cibernética para funcionários é um investimento na segurança e estabilidade da organização. Ao capacitá-los com conhecimentos técnicos e conscientização adequada, estamos fortalecendo a primeira linha de defesa contra as constantes ameaças do mundo digital em que vivemos. A segurança cibernética é uma responsabilidade compartilhada, e cada funcionário desempenha um papel crucial nessa defesa.