Se você se preocupa com SEO, saiba medir a velocidade do seu site corretamente.

Se você busca ser um especialista em SEO já deve ter ouvido falar que o desempenho do website afeta seu posicionamento na SERP do Google. Essa discussão teve origem em 2010, quando o Google anunciou que passaria a usar o desempenho do site como um sinal em seus algoritmos de ranking. O motivo da inclusão se deve ao resultado de estudos internos da empresa, que indicaram que quando um site responde lentamente, os visitantes passam menos tempo nele. O efeito dessa decisão pode ser visualizado em um estudo conduzido em 2013, que indicou uma correlação entre a posição nas buscas e o tempo de resposta do primeiro byte (TTFB), como pode ser visto abaixo.

Média do tempo de First Byte por posição na página de pesquisa

Porém, a falta de clareza de como o Google usa as informações de desempenho em seus algoritmos conduz muitos desenvolvedores e analistas de SEO ao erro, ao fazerem testes que podem conduzi-los a caminhos opostos aos objetivos ou gastarem tempo excessivo otimizando métricas que geram pouco impacto. Todo mês converso com dezenas de pessoas realizando seus testes equivocadamente, por isso achei muito importante desenvolver esse artigo para ajudar outras pessoas que passam pelo mesmo problema.

Dessa forma, espere ver neste artigo os seguintes assuntos:

  • Cuidado com métricas que não te levam a lugar nenhum;
  • Você pode estar configurando as ferramentas de teste de forma errada;
  • Você não deve se contentar apenas com ferramentas de teste.

Preocupe-se com a experiência do usuário e não com métricas pontuais

Uma das métricas mais comentadas quando se trata de otimização de desempenho de páginas web é Load Time (tempo de carregamento total da página). Porém, a suspeita de que essa não seja uma métrica ideal começa com a mesma pesquisa citada acima que indicou correlação entre TTFB e a posição no ranking do Google, quando também indicou a inexistência de correlação entre o Load Time e o posicionamento, independente do método de cálculo.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

O próprio uso do TTFB como critério de indexação pelo Google foi negado no Twitter pelo conhecido integrante da empresa, John Mueller. Mas calma, isso não significa que a métrica ou o próprio desempenho não seja importantes. No mesmo tweet, ele afirma que o TTFB é um bom indicador para o desempenho sentido pelo usuário e, mais importante, “se você está focando em velocidade somente por razões de SEO, você está fazendo isso errado”.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Portanto a dica está dada: o Google procura que você faça uma página que seja rápida na percepção do usuário e não uma página otimizada para métricas específicas. Se fizer isso, por consequência, isso impactará no SEO.

Neste artigo, o Google apresenta um bom framework de como analisar se uma página é rápida. Coloque-se no lugar do usuário e faça as seguintes perguntas durante a navegação:

  • A página está funcionando?
  • A página é útil?
  • A página pode ser usada?
  • A página é agradável?

A experiência do usuário se baseia no quão rápido essas perguntas são respondidas. Por isso o Load Time não é uma métrica precisa. O carregamento total é um evento simplório que ocorre após todas essas perguntas terem sido respondidas. Já o TTFB, apesar de não dever ser o foco, como ocorre antes e é um limitante para o tempo em que todos esses eventos acontecem, tem bastante uso na hora de debugar e entender onde estão alguns gargalos que comprometem a experiência de navegação.

Como visto acima, a experiência do usuário na navegação é um assunto que pode ser extenso, portanto, para não deixar este artigo extenso, publicaremos em breve outro artigo explorando como analisar se sua página oferece uma experiência rápida ao visitante. Quer ser notificado quando for lançado? Clique aqui.

Use as ferramentas de teste corretamente

Quando vejo pessoas procurando testar a performance de seus websites, a maioria usa o PageSpeed Insights, o GT-Metrix e em menor proporção, o Webpagetest.org. O grande problema reside na forma como os testes são feitos: muitos usuários não conhecem as limitações, configurações e funcionamento de cada ferramenta de teste, executam os testes nas configurações padrão e obedecem cegamente às recomendações dadas nos resultados, podendo tomar decisões que deixarão seus sites mais lentos para os usuários e não o contrário.

Por exemplo, você sabia que o PageSpeed Insights, muito provavelmente, executa seus testes em um servidor localizado fora do Brasil? A localização exata não é conhecida, mas já fizemos testes internos que deram indícios que os IPs de onde partiam as requisições dos testes apresentavam menor latência para a Flórida, nos EUA. Por causa disso, se seu website tiver audiência brasileira e seus servidores estiverem localizados no Brasil, você pode receber uma recomendação de reduzir o TTFB, mesmo que seu website ofereça uma resposta rápida aos visitantes.

Quer outro exemplo? O GT-Metrix executa seus testes, por padrão, de uma instância localizada em Vancouver no Canadá, causando o mesmo problema citado acima sobre o PageSpeed Insights, se você não configurar corretamente. E você sabia que o GT-Metrix não detecta todas as CDNs que existem?

Isso não significa que você não deva usar essas ferramentas, basta entender seu funcionamento corretamente. No caso do PageSpeed Insights, você pode usar seu algoritmo, o Lighthouse, em suas próprias instâncias de teste, podendo realizar os teste em condições de localização que simulem melhor a localização de seus usuários. Você pode inclusive fazer o teste de seu próprio navegador: a partir da versão 60, o Chrome disponibiliza o Lighthouseem suas ferramentas de desenvolvedor, localizado na aba “Audits”. Já o GT-Metrix permite, para usuários logados, escolher a instância de teste (uma delas é no Brasil) e configurar para que ele reconheça sua CDN, caso não seja detectada.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

O uso correto das ferramentas de teste também é um tema extenso e que merece ser abordado com atenção, por isso, lançaremos nos próximos dias publicaremos um guia de como aproveitar ao máximo as ferramentas de teste de desempenho. Clique aqui para receber em primeira mão.

Vá a campo

Por último, uma coisa precisa ser dita. Ferramentas de teste retratam apenas um pequeno pedaço da realidade sobre o desempenho de seu site. Diferentes usuários possuem diferentes dispositivos, navegadores, provedores de internet, localização, etc., o que faz variar bastante a experiência de um para outro. Elas são boas para fornecer um ambiente controlado para testar otimizações, mas existem formas mais apuradas de saber se seu site é realmente rápido.

W3C lançou há alguns anos a padronização para as APIs Navigation Timing e Resource Timing, uma interface a partir da qual webmasters podem consultar os tempos que o usuário experimentou em sua navegação pelo website. As versões mais novas da maior parte dos navegadores suportam essas APIs, permitindo a geração de dados de grande parte das visitas.

Existem algumas opções de ferramentas que exploram essa API. O PageSpeed Insights, por exemplo, oferece uma análise dos últimos 30 dias das métricas Primeira Exibição de Conteúdo e Atraso na Primeira Interação.

Como pode ser visto na imagem abaixo, as barras verdes indicam qual porcentagem dos usuário tiveram uma experiência considerada rápida, as barras laranja uma experiência média e as barras vermelhas, uma experiência lenta.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Existem outras ferramentas mais completas para essa análise, denominadas Real User Monitoring (RUM), como o New Relic Browser e Pingdom. Elas oferecem a visão de diversas métricas do ponto de vista dos visitantes. Caso você não tenha orçamento para contratar essas ferramentas, o Google tem um artigo que introduz como começar a aferir os tempos de navegação reais usando as APIs Navigation Timing e Resource Timing.

Conclusão

Como você pode ver acima, não existe uma métrica chave de velocidade para otimizar o SEO de seu website. Como o próprio Google busca informar, se você oferecer uma boa experiência de navegação ao visitante, isso poderá impactar o seu ranking. E você só poderá otimizar essa experiência de forma efetiva olhando para as métricas corretas e fazendo as avaliações corretamente. Fique atento que em breve lançaremos dois artigos: um retratando quais as melhores métricas de velocidade com foco no usuário e como aferir corretamente a velocidade de um site.

Se estiver com pressa em otimizar, te convidamos a fazer um teste gratuito de nossa CDN. A partir dela, seu website será entregue aos usuários em servidores mais próximos, contribuindo para reduzir o tempo de carregamento da maioria dos elementos de sua página, o que melhora sensivelmente a velocidade percebida pelo usuário. Quando for se cadastrar, entre em contato, que teremos o prazer em ajudá-lo na configuração e a testar devidamente a evolução do desempenho. Conheça em: https://www.gocache.com.br/cdn-inteligente-brasil/.