A importância da educação em segurança cibernética para funcionários

Proteger nossas informações e sistemas contra ameaças virtuais é uma prioridade crítica para organizações de todos os setores. Nesse contexto, a educação em segurança cibernética para funcionários desempenha um papel crucial.

De acordo com relatórios recentes sobre segurança cibernética no Brasil, o país enfrenta um crescente número de ciberataques a organizações de todos os tamanhos e setores. Estima-se que as perdas econômicas causadas por incidentes cibernéticos atingiram cifras alarmantes nos últimos anos. O aumento das ameaças destaca a necessidade urgente de investir em educação em segurança cibernética para os funcionários.

Compreendendo o cenário digital atual

O cenário digital está em constante evolução, com ameaças cibernéticas cada vez mais sofisticadas e diversificadas. Funcionários bem educados em segurança cibernética são a primeira linha de defesa contra essas ameaças. Eles precisam entender os riscos, as melhores práticas e as medidas apropriadas para proteger os ativos digitais da organização.

A necessidade de conscientização e treinamento contínuos

A tecnologia muda rapidamente, e, com ela, as táticas dos atacantes. Manter os funcionários atualizados com os desenvolvimentos mais recentes em segurança cibernética é essencial. Isso envolve treinamento contínuo e conscientização para que possam reconhecer e responder adequadamente a novas ameaças.

Reduzindo o risco de vulnerabilidades internas

Muitas violações de segurança têm origem em práticas internas inadequadas. Funcionários que não são educados sobre segurança cibernética podem inadvertidamente abrir portas para invasões. A educação adequada reduz o risco de vulnerabilidades internas, proporcionando um ambiente mais seguro para as operações da organização.

Fomentando uma cultura de segurança cibernética

A educação em segurança cibernética ajuda a criar uma cultura organizacional de segurança. Quando os funcionários estão cientes dos riscos e entendem seu papel na proteção dos ativos digitais, estão mais propensos a adotar comportamentos seguros no dia a dia, contribuindo para um ambiente cibernético mais resiliente.

A importância do treinamento prático

Além do conhecimento teórico, é crucial proporcionar treinamento prático em segurança cibernética. Simulações de ataques, exercícios de resposta a incidentes e práticas de segurança em ambientes controlados ajudam os funcionários a desenvolver habilidades práticas, melhorando sua capacidade de reagir eficazmente a ameaças reais.

Em suma: 

Investir na educação em segurança cibernética para funcionários é um investimento na segurança e estabilidade da organização. Ao capacitá-los com conhecimentos técnicos e conscientização adequada, estamos fortalecendo a primeira linha de defesa contra as constantes ameaças do mundo digital em que vivemos. A segurança cibernética é uma responsabilidade compartilhada, e cada funcionário desempenha um papel crucial nessa defesa.

Cyber Hygiene – O que é?

Todos sabemos que é crucial adotar práticas de cibersegurança eficazes para proteger nossos dados e informações pessoais. Uma abordagem fundamental para isso é o que chamamos de “Cyber Hygiene” ou “Ciber Higiene”. Este termo refere-se a um conjunto de boas práticas e comportamentos que os indivíduos e organizações devem seguir para manter um ambiente digital seguro e protegido.

O que é Cyber Hygiene?

Cyber Hygiene é um conjunto de ações e hábitos que visam garantir a segurança cibernética. Assim como a higiene pessoal é fundamental para manter uma boa saúde, a higiene cibernética é crucial para manter um ambiente digital seguro. Ela envolve práticas e ações que ajudam a proteger sistemas, dispositivos e informações contra ameaças cibernéticas, como malware, phishing, engenharia social e outras formas de ataques digitais.

Alguns princípios básicos da cyber hygiene incluem:

  • Manter software atualizado: Manter o sistema operacional, aplicativos e antivírus sempre atualizados é essencial para garantir que as vulnerabilidades conhecidas estejam corrigidas.
  • Senhas fortes e atualização regular: Usar senhas complexas, únicas para cada conta e alterá-las regularmente é um passo importante na ciber higiene. Isso ajuda a proteger suas contas contra acessos não autorizados.
  • Educação e conscientização: Fornecer treinamento e conscientização sobre práticas seguras na internet para funcionários e usuários é crucial. Isso inclui identificar ameaças potenciais e como evitá-las.
  • Backup regular de dados: Fazer backups regulares dos dados é uma precaução vital para garantir que informações críticas possam ser recuperadas em caso de incidente de segurança.
  • Controle de acesso adequado: Limitar o acesso a informações apenas a indivíduos autorizados ajuda a minimizar o risco de vazamento de dados e uso não autorizado.

A Importância da Cyber Hygiene

A Ciber Higiene é essencial para garantir a segurança cibernética em um mundo digital onde as ameaças estão em constante evolução. Aqui estão alguns motivos pelos quais a higiene cibernética é crucial:

  • Proteção de dados sensíveis: Ao seguir as melhores práticas de cyber hygiene, você protege suas informações pessoais e profissionais de serem comprometidas, evitando potenciais roubos de identidade e fraudes.
  • Prevenção de ataques cibernéticos: Boas práticas de ciber higiene podem ajudar a prevenir ataques cibernéticos, como malware e phishing, antes que possam causar danos significativos.
  • Redução de riscos e custos: Investir em higiene cibernética pode ajudar a minimizar riscos de segurança, evitando perda de dados, danos à reputação e os altos custos associados à recuperação após um incidente cibernético.
  • Conformidade com regulamentações: Em muitas jurisdições, seguir as práticas de cyber hygiene é uma exigência legal. Isso inclui a proteção adequada dos dados do cliente e a notificação de violações de segurança.
  • Preservação da confiança do cliente: Ao demonstrar que você toma a segurança dos dados a sério, você aumenta a confiança dos clientes e parceiros comerciais em relação à sua organização.

Em resumo, a higiene cibernética e é um componente essencial da segurança cibernética. Adotar e implementar práticas de ciber higiene eficazes é vital para proteger nossos dados e manter um ambiente digital seguro e confiável.

As principais ferramentas SIEM para Gestão de Segurança da Informação

Os ataques cibernéticos estão se tornando cada vez mais sofisticados e frequentes, exigindo que as organizações adotem medidas proativas para proteger suas informações e sistemas. Nesse contexto, as soluções de Gerenciamento de Informações e Eventos de Segurança (SIEM, do inglês Security Information and Event Management) desempenham um papel vital. Elas permitem a detecção, análise e resposta eficaz a incidentes de segurança em tempo real. Entre as principais ferramentas SIEM, destacam-se:

WAZUH

O Wazuh é uma plataforma de segurança de código aberto que se destaca como uma solução abrangente para a detecção, análise e resposta a incidentes de segurança cibernética. Ele foi desenvolvido com o objetivo de ajudar organizações a fortalecerem suas defesas e protegerem seus ativos digitais contra ameaças cada vez mais sofisticadas e diversificadas.

IBM QRadar:

O IBM QRadar é uma solução SIEM robusta que oferece uma ampla gama de funcionalidades para monitoramento de eventos e detecção de ameaças. Ele utiliza a análise comportamental para identificar padrões suspeitos e possui uma interface intuitiva que facilita a visualização e a análise dos dados de segurança.

Splunk:

O Splunk é uma plataforma de análise de dados versátil que também oferece recursos avançados de SIEM. Ele permite a ingestão e análise de dados de várias fontes, incluindo logs de segurança, para detectar atividades maliciosas e fornecer insights valiosos para aprimorar a segurança da organização.

LogRhythm SIEM:

O LogRhythm SIEM é conhecido por sua abordagem abrangente de detecção e resposta a incidentes de segurança. Ele integra análise de comportamento, correlação de eventos, automação de resposta e gerenciamento de incidentes, fornecendo uma visão completa das ameaças em tempo real.

Trellix Security Manager by Trellix:

O Trellix Security Manager é uma solução SIEM que se destaca por sua eficiência e simplicidade de uso. Ele oferece monitoramento contínuo, detecção de anomalias e geração de relatórios detalhados para ajudar as organizações a manterem um alto nível de segurança cibernética.

Além dessas ferramentas, existem outras opções relevantes no mercado que merecem menção:

ArcSight (HPE):

O ArcSight, atualmente pertencente à Hewlett Packard Enterprise (HPE), é uma solução líder de mercado que oferece uma plataforma abrangente para gerenciamento de eventos de segurança, análise de ameaças e conformidade regulatória.

McAfee Enterprise Security Manager (ESM):

A McAfee ESM é uma solução de SIEM que integra análise de segurança, detecção de ameaças e automação de resposta para fornecer uma visão holística da postura de segurança da organização.

AlienVault USM (Unified Security Management):

O AlienVault USM é uma solução SIEM que combina detecção de intrusões, correlação de eventos, análise de vulnerabilidades e monitoramento de logs em uma única plataforma, facilitando a resposta a incidentes.

Essas ferramentas SIEM são essenciais para qualquer organização que busca manter sua infraestrutura de TI segura e protegida contra as crescentes ameaças cibernéticas. A escolha da ferramenta certa dependerá das necessidades específicas da organização, do orçamento disponível e do nível desejado de funcionalidades e integrações. É fundamental realizar uma avaliação detalhada antes de selecionar a melhor solução para garantir a eficácia e eficiência na gestão da segurança da informação.

Integração via GoCache

A GoCache também oferece integração com diversas ferramentas de SIEM diferentes, possibilitando que nossos usuários tenham acesso integrado as informações de borda que são coletadas pela GoCache em sua ferramenta de SIEM preferida.

Formatos de Logs – Quais os principais

Em tecnologia da informação, “logs” são os arquivos gerados por software que contém informações detalhadas de eventos, atividades ou transações que ocorrem em sistemas, aplicativos, servidores, dispositivos de rede ou outros componentes de um ambiente computacional. Esses registros são essenciais para a manutenção, monitoramento, análise de segurança e solução de problemas em sistemas e redes.

Neste artigo, vamos explorar os principais formatos de logs utilizados no mundo da CDN e da cibersegurança, destacando sua importância e como eles contribuem para uma operação mais eficiente e segura.

1. Formato de Logs de Acesso Comum (Common Log Format – CLF):

O formato de logs de acesso comum é um dos mais antigos e amplamente utilizados em servidores web. Ele registra informações básicas sobre cada solicitação de um recurso, incluindo endereço IP do cliente, data e hora da solicitação, método HTTP e status da resposta. Esse formato é valioso para análises de tráfego e identificação de problemas de desempenho.

2. Formato de Logs de Registro Estendido (Extended Log Format – ELF):

O ELF estende o CLF, fornecendo informações adicionais, como o User-Agent do cliente e o referenciador (referrer). Isso é útil para análises mais detalhadas do tráfego e permite identificar a origem das solicitações.

3. Formato de Logs de Erro (Error Log Format):

Os logs de erro registram eventos não apenas de sucesso, mas também de falha. Eles são essenciais para a detecção e resolução de problemas, bem como para a segurança. Informações sobre erros de servidor, como códigos de erro HTTP e mensagens de erro, são registradas nesse formato.

4. Formato de Logs de Segurança (Security Log Format):

Em cibersegurança, os logs de segurança são críticos. Eles registram informações sobre atividades suspeitas, tentativas de invasão e violações de segurança. Esses logs podem incluir detalhes como endereços IP dos atacantes, tipos de ataques e horários das tentativas.

5. Formato de Logs de Firewall:

Os firewalls geram logs que registram tentativas de tráfego bloqueado ou permitido. Esses registros são necessários para monitorar e proteger a rede contra ameaças externas, ajudando na identificação de padrões de tráfego malicioso.

E qual a importância dos logs?

Os logs são vitais para a análise de incidentes de segurança, investigações forenses, monitoramento de desempenho e otimização de sistemas, além de serem uma parte essencial para a conformidade regulamentar em muitas indústrias.

Os formatos de logs discutidos neste artigo fornecem informações valiosas para análises, solução de problemas e resposta a incidentes.

A GoCache disponibiliza os logs para seus clientes?

Com certeza! A GoCache permite o streaming dos seus logs de acessos para diferentes soluções de monitoramento e agregadores de dados, fornecendo informações valiosas da sua audiência, aplicação e infraestrutura de hospedagem. 

Além disso, a GoCache também integra seus eventos de segurança com ferramentas de SIEM (Security information and event management), para que o cliente tenha maior visibilidade dos seus acessos maliciosos, correlacione eventos, aprimore a sua detecção de ameaças, acelere a resposta a incidentes, e realize análises forenses e investigações após algum incidente de segurança.

Load Balancer – O que é?

Assegurar a acessibilidade e o desempenho de aplicativos e serviços online é uma prioridade fundamental para o êxito de qualquer empresa. É aí que entra o Load Balancer, uma ferramenta fundamental para distribuir o tráfego de rede de forma eficiente, garantindo alta disponibilidade, escalabilidade e confiabilidade. Neste artigo, exploraremos o que é um Load Balancer e como ele funciona para melhorar a experiência do usuário e a infraestrutura de TI.

O que é um Load Balancer?

Um Load Balancer, em tradução livre, significa “balanceador de carga”. Trata-se de um dispositivo de hardware ou software que atua como um intermediário entre os clientes e os servidores de um aplicativo ou serviço online. Sua principal função é distribuir o tráfego de rede de forma equilibrada entre vários servidores, garantindo que nenhum deles fique sobrecarregado, evitando assim quedas de desempenho ou indisponibilidade.

Como Funciona um Load Balancer?

A operação de um Load Balancer é relativamente simples, mas incrivelmente eficaz. Aqui estão os principais componentes e processos envolvidos:

  • Recebimento de Requisições: Quando um cliente faz uma solicitação para acessar um aplicativo ou serviço, essa solicitação é primeiro direcionada para o Load Balancer em vez de ir diretamente para os servidores de destino.
  • Distribuição de Tráfego: O Load Balancer avalia os servidores disponíveis e decide para qual servidor encaminhar a solicitação. Isso pode ser feito com base em algoritmos de balanceamento de carga, como round-robin (cada servidor é escolhido em sequência), ponderação (atribuição de pesos diferentes aos servidores), ou até mesmo com base na carga real de cada servidor.
  • Encaminhamento da Solicitação: A solicitação do cliente é então redirecionada para o servidor escolhido pelo Load Balancer.
  • Processamento da Resposta: O servidor processa a solicitação e envia uma resposta de volta ao Load Balancer.
  • Entrega da Resposta ao Cliente: O Load Balancer recebe a resposta do servidor e a encaminha de volta ao cliente que fez a solicitação original. O cliente não tem conhecimento de quantos servidores existem ou de qual servidor está respondendo.

Benefícios de um Load Balancer:

  • Alta Disponibilidade: Com a distribuição equilibrada de tráfego, os Load Balancers garantem que os serviços estejam sempre disponíveis, mesmo se um servidor falhar.
  • Escalabilidade: Adicionar novos servidores à infraestrutura é fácil, pois o Load Balancer cuida da distribuição de carga de maneira automática.
  • Desempenho Aprimorado: O balanceamento de carga evita que servidores fiquem sobrecarregados, mantendo o desempenho consistente.
  • Segurança: Os Load Balancers podem ajudar a proteger contra ataques DDoS (Distributed Denial of Service) ao distribuir o tráfego malicioso entre vários servidores.

Devo usar Load Balancer em minhas aplicações?

Neste artigo nós entendemos que a disponibilidade e o desempenho de aplicativos e serviços são cruciais e os Load Balancers desempenham um papel vital. Eles garantem que os clientes tenham uma experiência de usuário consistente e que os serviços online estejam sempre acessíveis. Entender o que é um Load Balancer e como ele funciona é essencial para qualquer empresa que deseja manter uma presença online confiável e escalável.

TLS vs SSL: Quais as diferenças

Nos dias de hoje, a segurança na internet é de extrema importância, especialmente ao lidar com informações sensíveis e transações online. Dois dos protocolos de segurança mais conhecidos e amplamente utilizados são o TLS (Transport Layer Security) e o SSL (Secure Sockets Layer). Embora esses termos sejam frequentemente usados de forma intercambiável, eles têm diferenças significativas em termos de funcionalidade, segurança e aplicação. Neste artigo, exploraremos as diferenças entre TLS e SSL, como cada um funciona e em que situações é melhor usar um em relação ao outro.

O funcionamento do SSL e do TLS

Tanto o SSL quanto o TLS são protocolos de segurança projetados para estabelecer uma comunicação segura e criptografada entre um cliente (geralmente um navegador) e um servidor web. Eles garantem que os dados trocados entre esses dois pontos não sejam interceptados por terceiros maliciosos. A principal maneira pela qual eles atingem esse objetivo é por meio da criptografia, que embaralha os dados de forma a torná-los inteligíveis para qualquer um que não tenha a chave de descriptografia correta.

Ambos os protocolos operam em camadas acima do protocolo de transporte, como o TCP (Transmission Control Protocol), e abaixo do protocolo de aplicação, como o HTTP (Hypertext Transfer Protocol). Isso significa que eles fornecem uma camada adicional de segurança entre o aplicativo que você está usando (como um navegador) e os dados que estão sendo transmitidos pela rede.

Principais diferenças entre SSL e TLS

Embora SSL e TLS tenham objetivos semelhantes, eles têm diferenças técnicas importantes:

  1. Versões e Evolução

O SSL foi desenvolvido pela Netscape nos anos 1990 e passou por várias iterações, como SSL 2.0, SSL 3.0 e TLS 1.0. No entanto, problemas de segurança foram descobertos nas versões mais antigas, levando ao desenvolvimento do TLS. O TLS 1.0 foi projetado para ser uma melhoria do SSL 3.0, e as versões subsequentes do TLS continuaram a aprimorar a segurança e a criptografia.

  1. Criptografia e Algoritmos

As versões mais recentes do TLS geralmente oferecem suporte a algoritmos de criptografia mais fortes do que as versões mais antigas do SSL. Isso resulta em uma comunicação mais segura e menos vulnerável a ataques de criptoanálise.

  1. Nome e Marca

Enquanto o SSL é mais amplamente conhecido pelo termo “SSL”, muitas vezes é usado de forma genérica para se referir aos protocolos de segurança em geral. O TLS, por outro lado, é uma evolução direta do SSL e geralmente é considerado mais seguro. Muitas das implementações modernas preferem usar TLS sobre SSL, e a terminologia correta seria “TLS” em vez de “SSL”.

Qual usar e quando?

A escolha entre TLS e SSL depende de vários fatores, incluindo o nível de segurança desejado e a compatibilidade com as versões mais recentes dos protocolos. Em geral, é recomendável usar as versões mais recentes do TLS sempre que possível, devido às melhorias contínuas em segurança.

No entanto, em cenários muito específicos em que a compatibilidade com sistemas mais antigos é crucial, ainda pode ser necessário usar versões mais antigas do SSL. É importante ressaltar que o SSL 3.0 é considerado inseguro devido a várias vulnerabilidades conhecidas, então, se necessário, o SSL 3.0 deve ser evitado.

Como funciona o SSL e TLS GoCache ?

A GoCache gera um certificado SSL gratuito para qualquer aplicação que esteja apontada para CDN, assim como permite o upload de um SSL válido via painel.

Em termos de TLS, suportamos via de regra a versão 1.3, e também damos, como opção, suporte para versões mais antigas, para clientes que trabalham com aplicações legadas.

Motivos para usar mTLS

No mundo digital cada vez mais interconectado, a segurança das comunicações assume um papel essencial. À medida que a troca de informações sensíveis se torna a norma, garantir que apenas as partes autorizadas tenham acesso a esses dados passa a ser crucial. Nesse contexto, o mTLS (mutual Transport Layer Security) surge como uma ferramenta poderosa para fortalecer a autenticação e a segurança nas conexões online. Neste artigo, exploraremos o que é o mTLS e apresentaremos os principais motivos pelos quais sua adoção é altamente recomendada.

Entendendo o mTLS

O mTLS, ou autenticação mútua de TLS, é uma extensão do protocolo TLS (Transport Layer Security), que por sua vez é uma evolução do SSL (Secure Sockets Layer). O mTLS visa estabelecer uma comunicação segura entre um cliente (geralmente um dispositivo ou aplicativo) e um servidor, garantindo não apenas que os dados transmitidos sejam criptografados, mas também que ambas as partes envolvidas na comunicação se autentiquem mutuamente.

Ao contrário do TLS padrão, onde apenas o servidor é autenticado pelo cliente (usando certificados digitais), o mTLS exige que o cliente também apresente um certificado para autenticação. Isso significa que tanto o cliente quanto o servidor devem provar sua identidade antes que a comunicação seja estabelecida. Esse processo bidirecional de autenticação fortalece significativamente a segurança da troca de dados.

Motivos para Utilizar mTLS

  1. Autenticação dupla:
    O principal diferencial do mTLS é a autenticação bidirecional. Isso significa que a identidade tanto do cliente quanto do servidor é verificada antes da comunicação ocorrer. Isso é particularmente valioso em cenários onde ambas as partes precisam ter confiança mútua, como em serviços bancários, sistemas de saúde eletrônica e em ambientes corporativos.
  2. Proteção contra impostores:
    Ao exigir que o cliente também apresente um certificado, o mTLS evita ataques de intermediários maliciosos. Mesmo que um atacante tente se intrometer na comunicação, ele não conseguirá apresentar o certificado válido do cliente, impedindo assim o estabelecimento da conexão.
  3. Acesso controlado:
    O mTLS permite uma segmentação mais precisa dos acessos. Isso significa que apenas dispositivos ou aplicativos autorizados, com certificados válidos, podem se conectar aos servidores. Isso é especialmente útil em sistemas distribuídos, onde apenas determinados dispositivos devem ter acesso.
  4. Fortalecimento da criptografia:
    Além da autenticação mútua, o mTLS também oferece a vantagem da criptografia de dados durante a transmissão. Isso garante que mesmo que alguém intercepte os dados, eles permaneçam ininteligíveis, protegendo a confidencialidade das informações.
  5. Conformidade e regulamentações:
    Em muitos setores, como saúde e finanças, existem regulamentações rígidas para proteção de dados e privacidade. A adoção do mTLS pode ajudar a cumprir esses requisitos, garantindo que as comunicações estejam de acordo com os padrões exigidos.

Como funciona o mTLS GoCache ?

Na GoCache, é possível fazer a configuração do mTLS por domínio ou subdomínio, permitindo também, de forma granular, quais requisições serão afetadas pelas autenticação. Além disso, é possível customizar as respostas em relação a cada um dos status do mTLS.

O que é Splunk?

Neste artigo, você saberá ‘O que é Splunk?’, Os recursos do Splunk e a arquitetura do Splunk. O Splunk pode ser considerado uma ferramenta de mineração de dados para aplicativos de Big Data. O Splunk pode gerenciar Big Data com eficácia sem redução de desempenho. Agora, vamos entender em detalhes, ‘O que é Splunk?’

Introdução ao Splunk

Splunk é uma tecnologia avançada, escalável e eficaz que indexa e pesquisa arquivos de log armazenados em um sistema. Ele analisa os dados gerados por máquina para fornecer inteligência operacional. A principal vantagem de usar o Splunk é que ele não precisa de nenhum banco de dados para armazenar os seus dados, já que faz uso extensivo dos seus índices para armazenar os dados.

Splunk é um software usado principalmente para pesquisar, monitorar e examinar Big Data gerado por máquina por meio de uma interface estilo web. O Splunk captura, indexa e correlaciona os dados em tempo real em um contêiner pesquisável a partir do qual pode produzir gráficos, relatórios, alertas, painéis e visualizações. Tem como objetivo construir dados gerados por máquina disponíveis em uma organização e é capaz de reconhecer padrões de dados, produzir métricas, diagnosticar problemas e conceder inteligência para fins de operação de negócios. Splunk é uma tecnologia usada para gerenciamento de aplicativos, segurança e conformidade, bem como análises de negócios e da web.

Com a ajuda do software Splunk, é fácil pesquisar dados específicos em um monte de dados complexos. Como você deve saber, nos arquivos de log, descobrir qual configuração está em execução é um desafio. Para tornar isso mais fácil, existe uma ferramenta no software Splunk que ajuda o usuário a detectar os problemas do arquivo de configuração e ver as configurações atuais que estão sendo utilizadas.

Como já discutimos o que é o Splunk, agora temos uma pergunta ‘Por que o Splunk?’ Splunk é uma plataforma digitalizada que auxilia no acesso a dados gerados por máquina, que serão úteis e valiosos para todos. Tratar uma grande quantidade de dados é um dos maiores desafios, pois há um rápido desenvolvimento no setor de TI e suas máquinas. Nessa situação, o Splunk desempenha um papel vital para lidar com a situação.

Uma breve história do Splunk

Rob Das e Eric Swan cofundaram essa tecnologia no ano de 2003, como uma solução para todas as dúvidas levantadas ao examinar as cavernas de informações enfrentadas pela maioria das empresas. O nome ‘Splunk’ é derivado da palavra ‘espeleologia’, que significa explorar as cavernas de informações. Foi desenvolvido como um mecanismo de busca dos arquivos de log que ficam armazenados na infraestrutura de um sistema.

A primeira versão do Splunk foi lançada em 2004 e foi amplamente apreciada por seus usuários finais. Lenta e gradualmente, tornou-se viral entre a maioria das empresas, e elas começaram a comprar as suas licenças corporativas. O principal objetivo dos fundadores é comercializar essa tecnologia em desenvolvimento em massa para que ela possa ser implantada em quase todos os tipos de casos de uso possíveis.

Agora, você tem uma ideia sobre o que é Splunk e a sua história. A seguir estão os recursos do Splunk

O Splunk é gratuito?

Depois de entender o que é o Splunk e as suas vantagens abrangentes, você deve ter dúvida se o Splunk é gratuito. A resposta para essa pergunta é sim! Existe uma versão do Splunk conhecida como Splunk Free. É uma versão totalmente gratuita. A licença gratuita permite que você indexe até 500 MB por dia e nunca expira.

O limite de 500 MB indica a quantidade de novos dados que você pode adicionar ou indexar por dia. No entanto, você pode continuar adicionando dados todos os dias, coletando o quanto desejar. Por exemplo, você pode indexar 500 MB de dados por dia e, por fim, ter 10 TB de dados no Splunk Free. Se você precisar de mais de 500 MB / dia, terá que comprar uma licença Enterprise. O Splunk Free gerencia o uso da licença rastreando as violações da licença. Se você exceder 500 MB / dia mais de três vezes em uma sessão de 30 dias, o Splunk Free continuará a indexar os seus dados, mas desativa a funcionalidade de pesquisa até que você volte para três ou menos alertas no período de 30 dias.

Agora, como você sabe o que é o Splunk, você deve estar ansioso para saber como o Splunk é útil na construção da sua carreira.

Referencia: https://intellipaat.com/blog/what-is-splunk/

Saiba mais sobre Cloud Computing

A computação em nuvem é um serviço baseado totalmente na internet, presente diariamente no nosso dia a dia.

Um dos propósitos da nuvem é permitir que você pague somente pela quantidade de recursos de computação que utiliza (pay as you go). 

Exemplo, caso você esteja utilizando 1GB de armazenamento, você pagará somente este 1GB mas caso precise expandir para 1TB pagará um valor proporcional.

Outro ponto importante é que você pode administrar seu ambiente de qualquer lugar do mundo, desde que tenha internet. Sem a necessidade de fazer manutenções no ambiente físico do seu “data center”. Essas questões de infraestrutura física, como por exemplo, manutenção de hardware, cabeamento, racks, energia, etc… ficam sob responsabilidade do seu provedor de nuvem.

Outro ultra benefício da nuvem é a escalabilidade que acompanha o tamanho do seu negócio – caso hoje você tenha apenas 100 clientes em sua plataforma que roda em um único servidor, mas amanhã irá ter uma grande promoção em que a quantidade de clientes aumente para 10.000, você poderá aumentar a quantidade e o tamanho dos seus servidores e banco de dados com poucos cliques. 

A cloud computing chegou para revolucionar o mercado de TI mostrando para o mundo que podemos ter um ambiente seguro, escalável, com baixo custo e com baixa complexidade de configuração e manutenção.

Existem alguns tipos de nuvens: 

Nuvem pública: São provedores de computação em nuvem que terceirizam seus serviços e recursos utilizando a internet. Os principais provedores de nuvem do mercado atualmente são AWS, Microsoft Azure e Google Cloud Platform (GCP).

Nuvem Privada: Esse tipo de nuvem utiliza recursos de computação porém, atende somente as necessidades de uma única empresa. 

Nuvem híbrida: É a mistura dos dois modelos de cloud portanto possui as características de ambas, permitindo que as empresas desfrutem das vantagens dos dois modelos ao mesmo tempo.

 

Por Ruth Braga, Technical Support GoCache.

O que é Grafana?

Este artigo é uma descrição detalhada do Grafana – uma ferramenta de código aberto para executar análises e monitorar sistemas online. Ele contém respostas para todas as nossas perguntas sobre o assunto como, o que é? Por que usar? Posso implantá-lo no local? Já existem empresas que o utilizam? Quão popular é?

1. O que é Grafana e para que é utilizado?

Grafana é uma solução de código aberto para executar análises de dados, obtendo métricas que dão sentido à enorme quantidade de dados e para monitorar nossos aplicativos com a ajuda de painéis personalizáveis ​​legais.

O Grafana se conecta a todas as fontes de dados possíveis, comumente chamadas de bancos de dados como Graphite, Prometheus, Influx DB, ElasticSearch, MySQL, PostgreSQL etc.

O Grafana, sendo uma solução de código aberto, também nos permite escrever plug-ins do zero para integração com várias fontes de dados diferentes.

A ferramenta nos ajuda a estudar, analisar e monitorar dados ao longo de um período de tempo, tecnicamente chamado de análise de série temporal.

Ele nos ajuda a rastrear o comportamento do usuário, o comportamento do aplicativo, a frequência de erros que aparecem na produção ou em um ambiente de pré-produção, os tipos de erros que aparecem e os cenários contextuais, fornecendo dados relativos.

Uma grande vantagem do projeto é que ele pode ser implantado no local por organizações que não desejam que os seus dados sejam transmitidos para a nuvem de um fornecedor por motivos de segurança e outros motivos.

Com o tempo, essa estrutura ganhou muita popularidade na indústria e é implantada por grandes empresas como PayPal, eBay, Intel e muitos mais. Falarei sobre os casos de uso na indústria mais adiante neste artigo.

Além da solução central de código aberto, existem outros dois serviços oferecidos pela equipe do Grafana para empresas conhecidas como Grafana Cloud & the Enterprise. O que eles são? Falaremos mais sobre isso adiante no artigo.

2. O que é um painel Grafana?

Os painéis extraem dados das fontes de dados conectadas, como Graphite, Prometheus, Influx DB, ElasticSearch, MySQL, PostgreSQL etc. Estas são algumas das muitas fontes de dados que o Grafana suporta por padrão.

Os painéis contêm uma gama de opções de visualização, como mapas geográficos, mapas de calor, histogramas, toda a variedade de tabelas e gráficos que uma empresa normalmente requer para estudar dados.

Um painel contém vários painéis individuais diferentes na grade. Cada painel possui funcionalidades diferentes.

3. Quais são os recursos oferecidos pelo Grafana?

Vamos examinar os recursos oferecidos pelo painel de análise da estrutura de código aberto.

Esta estrutura de código aberto cuida de todas as análises do nosso aplicativo. Podemos facilmente consultar, visualizar, configurar alertas e entender os dados com a ajuda das métricas.

O painel é bem equipado e está em constante evolução para dar sentido a dados complexos. Da exibição de gráficos a mapas de calor, histogramas e mapas geográficos. A ferramenta tem uma infinidade de opções de visualização para entender os dados de acordo com os nossos requisitos do negócio.

Os alertas são configurados e acionados como cabos de disparo sempre que ocorre um cenário antecipado. Esses acontecimentos podem ser notificados no Slack ou em qualquer plataforma de comunicação utilizada pela equipe de monitoramento.

Grafana tem suporte nativo para aproximadamente uma dúzia de bancos de dados. E com muitos mais facilitados pelos respectivos plugins.

Hospede-o no local ou em qualquer plataforma em nuvem da sua escolha.

Possui suporte integrado para Graphite e expressões como funções add, filter, avg, min, max etc. para obter dados personalizados. O que é Graphite? Eu vou chegar nisso.

Ele também possui um Influx DB integrado, Prometheus, ElasticSearch, suporte para CloudWatch. Vou falar sobre tudo isso mais à frente.

4. O que é Grafana Cloud?

Grafana Cloud é uma plataforma de métricas de software como serviço, aberta, nativa da nuvem, altamente disponível e totalmente gerenciada. Bastante útil para aqueles que não querem ter o fardo de hospedar a solução localmente e não querem se preocupar com o gerenciamento de toda a infraestrutura de implantação.

Ele é executado em clusters do Kubernetes. O backend é compatível com Prometheus e Graphite. Portanto, podemos escolher a instância da nuvem Grafana ou ambos.

5. O que é Grafana Enterprise?

O serviço Enterprise vem com todos os recursos do Grafana Cloud, além de plug-ins premium, fontes de dados e suporte premium da equipe principal. Recebemos SLAs de resposta, treinamentos e muito mais.

6. Quais são alguns dos casos de uso do Grafana na indústria do mundo real?

Os painéis Grafana são implantados em toda a indústria, seja para jogos, IoT, FinTech ou E-Comm.

StackOverflow usou a ferramenta para permitir que os seus desenvolvedores e equipes de confiabilidade do site criem painéis personalizados para visualizar os dados e otimizar o desempenho do servidor.

A Digital Ocean usa Grafana para compartilhar dados de visualização entre as suas equipes e tem uma plataforma comum de compartilhamento de dados visuais.

7. O que é Prometheus Grafana?

Prometheus é uma ferramenta de monitoramento de dados de código aberto. A combinação de Prometheus e Grafana é a combinação de ferramentas de fato na indústria para implantar uma configuração de visualização de dados. O painel Grafana é usado para visualizar os dados, enquanto o back-end é desenvolvido pelo Prometheus.

Embora o Prometheus também tenha recursos de visualização de dados e outras coisas. Mesmo assim, o Grafana é o preferido para a visualização de dados. As consultas são disparadas do painel e os dados são obtidos do Prometheus.

Ele atua como um modelo de dados de código aberto perfeito para armazenar dados de série temporal.

8. O que é Graphite Grafana?

O Graphite, novamente, é uma ferramenta de monitoramento. Ele facilita o armazenamento e a visualização dos dados da série temporal. Idealmente, o Graphite é usado como uma fonte de dados para o painel Grafana em uma configuração de monitoramento de dados.

Grafana tem um editor de consultas Graphite bastante avançado que nos permite interagir com os dados com a ajuda de expressões e funções.

9. Grafana Vs Kibana?

Como afirmei anteriormente, no meu projeto anterior, Kibana foi usado principalmente para analisar e monitorar logs. Kibana é o K na pilha ELK. Toda a intenção de escrever o Kibana pela equipe ElasticSearch era a de ter uma ferramenta eficaz para monitorar os logs. Basta clicar e rastrear o contexto das exceções que ocorrem no prod em vez de executar comandos do Linux no console para localizá-las. Foi uma dor, acredite em mim.

Bem, por outro lado, Grafana foi escrito como uma solução de monitoramento genérica para executar monitoramento e análise em praticamente qualquer coisa. Bem, esta é uma visão panorâmica da diferença entre essas duas ferramentas.

Referencia: https://www.scaleyourapp.com/what-is-grafana-why-use-it-everything-you-should-know-about-it/