GoCache, CloudFlare ou CloudFront? Qual a melhor CDN para você?

[:pb]

Disclaimer: Este artigo foi escrito em Outubro/2016 e tende a se tornar desatualizado à medida que as empresas evoluem seus produtos e modelos de negócio.

GoCache, CloudFare ou CloudFront?

 

Este é um post comparativo, com o objetivo de esclarecer as diferenças entre GoCache, CloudFlare e CloudFront (AWS) no Brasil.

 

Resumo

 

Vamos começar pelo final, assim fica mais fácil a visualização das principais diferenças. Você pode ler os detalhes no corpo do artigo.

 

gocachevscloudflarevscloudfront

 

O uso da CloudFare (plano gratuito) compensa, quando falamos de um site no Brasil focado no mercado doméstico, somente nos casos onde a latência não importa, as funcionalidades do plano gratuito bastam e não existem grandes preocupações com SLA ou necessidade por suporte técnico.

 

O grande problema do CloudFront é o preço para entrega no Brasil. Os valores, quando devidamente tributados, ficam bem salgados e a conta no final do mês pode acabar sendo proibitiva. O suporte técnico também tem um custo elevado.

 

Mas por favor não acredite somente na tabela acima! Sugerimos que faça testes nos três e chegue às suas próprias conclusões!

 

1.  Latência

latencia

 

Se você utiliza o plano gratuito da CloudFare, seu tráfego é roteado exclusivamente a partir dos EUA, sua latência sempre será maior que a dos sites hospedados no Brasil, mesmo sem utilizar uma CDN. Você perde uma das maiores vantagens do uso de uma rede de distribuição de conteúdo.

 

Se você utiliza um dos planos pagos, sua latência fica competitiva, mas ainda assim limitada. Isto ocorre porque a CloudFlare mantém somente um ponto de presença (PoP) em São Paulo. Além disso, mesmo nos planos pagos, existe uma restrição para utilização da banda no Brasil, principalmente se você tem um site com muito tráfego. Também é possível que, usando o plano pago, seu tráfego seja roteado via EUA caso ocorram problemas técnicos no PoP brasileiro.

 

O CloudFront possui pontos de acesso em São Paulo e no Rio de Janeiro, para atender o tráfego em território nacional.

 

A GoCache possui dois pontos de presença em operadoras distintas de São Paulo, para melhorar o tempo de resposta. Também estamos em fase de expansão, com dois novos PoPs previtos para o final de fevereiro/2017 em regiões distintas no Brasil. Nosso foco é o mercado brasileiro e todos os nossos investimentos são planejados com o objetivo de fornecer a melhor rede de distribuição de conteúdo do Brasil.

 

2.  DNS

DNS

 

A CloudFlare não dá opção nos planos gratuito e Pro. Você deve mudar o DNS para os servidores deles, ou não usa o serviço. Apenas a partir do plano Business, de US$200/mês é que você passa a ter a alternativa de usar um CNAME.

 

Tanto CloudFront quanto GoCache permitem escolher. Se não quiser virar a zona DNS inteira você pode configurar apenas o CNAME das entradas que utilizarão a CDN.

 

Isso deixa a processo de configuração mais simples e com menor custo operacional. Também evita possíveis dores de cabeça com outros serviços do seu domínio, como por exemplo o seu e-mail.

 

3.  Funcionalidades

funcionalidades

 

A CloudFlare limita as funcionalidades conforme o plano contratado. Na GoCache e no CloudFront todas as funcionalidades são liberadas em todos os planos.

 

Na GoCache temos as SmartRules, funcionalidade exclusiva.  Essa funcionalidade permite um nível de customização que nenhuma outra CDN no planeta permite. Customizações que facilitam inclusive o cache de todas as páginas do site (full page cache), mesmo em cenários complexos, como o de um e-commerce. Além de desonerar significativamente o consumo de recursos nos servidores de aplicação e banco de dados, aumenta muito a performance.

 

WordPress e Magento têm a configuração simplificada na GoCache, bastam 2 cliques no painel de controle e os sites que utilizam essas plataformas ficam com a melhor configuração de cache possível. Além disso, temos um plugin que automatiza a limpeza do cache quando você modifica o conteúdo no WordPress, inclusive no caso de comentários em publicações. O uso do plugin é uma facilidade adicional, mas não é obrigatório.

 

Na CloudFlare você precisa instalar o plugin deles para ter mais simplicidade no uso do WordPress, no entanto em um cenário preparado somente para o cache de conteúdo estático, que não tem um importante papel na redução de consumo de recursos em infraestrutura.

 

Para integração do CloudFront com estas aplicações de prateleira é necessário a instalação de plugins de terceiros, além de restringirem o cache somente ao conteúdo estático.

 

4.  Suporte e Preço

suporte

 

A CloudFlare só oferece dois canais de suporte, e-mail ou telefone.

 

Enquanto o suporte por e-mail existe para todos os planos, a prioridade é do plano de US$200/mês ou superior. Suporte via telefone é exclusivo para o plano mais caro, o Enterprise, que começa em US$ 1000/mês. Com o dólar a R$ 3, isso se traduz em R$ 3000, mais R$ 1800 de Imposto de Importação e R$ 180 de IOF, totalizando R$ 4980/mês.

 

No CloudFront você paga o uso de tráfego entre a CDN e o usuário final, entre a CDN e o servidor de origem e conforme a quantidade de requisições atendidas. O tráfego entre CDN e usuário começa com custo de US$ 0,25/GB, o que se traduz em um custo direto de R$ 0,75/GB somados a R$ 0,45/GB de Imposto de Importação e R$ 0,03/GB de IOF, totalizando R$ 1,23/GB transferido. Além disso, não há ganho de escala no tráfego entre CDN e servidor de origem, este custo é sempre de US$ 0,125/GB, o que se traduz em R$ 0,6225/GB (0,375+0,225+0,0225).

 

Não bastando os custos muito acima dos demais, caso queira suporte técnico você ainda deve contratar à parte. O menor valor a ser pago por isso é de US$29/mês para ter apenas o suporte via e-mail em horário comercial e uma quantidade limitada de tickets de helpdesk. Fatorados os devidos impostos, esse custo fica em R$ 144,42/mês (dólar a R$3)!

 

Na GoCache atendemos em todos os canais, e-mail, chat, telefone, Skype e Whatsapp. O atendimento telefônico é priorizado para os planos de maior volume.

 

 

5.  Moeda Estrangeira

dolar

 

Custos atrelados ao dólar são sempre arriscados, nunca sabemos quando a situação internacional vai mudar. Normalmente é quando a situação da economia complica, com queda nas vendas, que estes custos aumentam, “ajudando a piorar” a situação.

 

Além do risco cambial somam-se a esta complicação os tributos e requisitos de Imposto de Renda.

 

A tributação sobre importação de serviços de software é de 60% e o IOF é de 6%. Mesmo no menor plano pago da CloudFlare, de US$ 20, a mensalidade seria de R$ 99,6 (dólar a R$3).

 

No CloudFront, para um plano que comporte a transferência de 100GB/mês, assumindo que somente 10% dos acessos sejam requisitados no servidor de origem e que cada acesso resulte em apenas 20 requisições (com cerca de 100.000 pageviews mensais equivalentes a 2 milhões de requisições) o valor mensal ficaria em US$ 25 (CDN – usuário) + US$ 1,25 (CDN – origem) + US$ 3,2 (requisições), totalizando US$ 29,45 ou R$ 146,66 após os devidos tributos (dólar a R$3).

 

Além disso, é exigência da Fazenda que o valor 15% do pagamento ao fornecedor estrangeiro fique retido. A grande maioria dos usuários do serviço desconhece esta obrigação. Ao deixar de reter esta parcela essas empresas  geram um passivo fiscal que pode resultar em custos significativos no futuro.

 

Na GoCache os planos começam em R$ 19 e não existe nenhuma destas complicações tributárias. Você recebe melhor conectividade e serviço por uma fração do valor pago a qualquer um destes concorrentes.

 

6.  SLA

SLA

O uso de CDN é reconhecido como uma importante configuração para melhorar a disponibilidade dos websites. A própria arquitetura do serviço contribui para melhorar a resiliência, inclusive com proteção contra ataques DDoS.

 

A CloudFlare não garante SLA para os planos gratuito e Pro. Por menos de US$ 200/mês você não terá garantia de disponibilidade ou direito a qualquer tipo de ressarcimento.

 

CloudFront e GoCache oferecem SLA em todos os planos, demonstrando maior compromisso com um serviço de qualidade.[:en]

Disclaimer: Este artigo foi escrito em Outubro/2016 e tende a se tornar desatualizado à medida que as empresas evoluem seus produtos e modelos de negócio.

GoCache, CloudFlare ou CloudFront?

 

Este é um post comparativo, com o objetivo de esclarecer as diferenças entre GoCache, CloudFlare e CloudFront (AWS) no Brasil.

 

Resumo

 

Vamos começar pelo final, assim fica mais fácil a visualização das principais diferenças. Você pode ler os detalhes no corpo do artigo.

 

gocachevscloudflarevscloudfront

 

O uso da CloudFlare (plano gratuito) compensa, quando falamos de um site no Brasil focado no mercado doméstico, somente nos casos onde a latência não importa, as funcionalidades do plano gratuito bastam e não existem grandes preocupações com SLA ou necessidade por suporte técnico.

 

O grande problema do CloudFront é o preço para entrega no Brasil. Os valores, quando devidamente tributados, ficam bem salgados e a conta no final do mês pode acabar sendo proibitiva. O suporte técnico também tem um custo elevado.

 

Mas por favor não acredite somente na tabela acima! Sugerimos que faça testes nos três e chegue às suas próprias conclusões!

 

1.  Latência

latencia

 

Se você utiliza o plano gratuito da CloudFlare, seu tráfego é roteado exclusivamente a partir dos EUA, sua latência sempre será maior que a dos sites hospedados no Brasil, mesmo sem utilizar uma CDN. Você perde uma das maiores vantagens do uso de uma rede de distribuição de conteúdo.

 

Se você utiliza um dos planos pagos, sua latência fica competitiva, mas ainda assim limitada. Isto ocorre porque a CloudFlare mantém somente um ponto de presença (PoP) em São Paulo. Além disso, mesmo nos planos pagos, existe uma restrição para utilização da banda no Brasil, principalmente se você tem um site com muito tráfego. Também é possível que, usando o plano pago, seu tráfego seja roteado via EUA caso ocorram problemas técnicos no PoP brasileiro.

 

O CloudFront possui pontos de acesso em São Paulo e no Rio de Janeiro, para atender o tráfego em território nacional.

 

A GoCache possui dois pontos de presença em operadoras distintas de São Paulo, para melhorar o tempo de resposta. Também estamos em fase de expansão, com dois novos PoPs previtos para o final de fevereiro/2017 em regiões distintas no Brasil. Nosso foco é o mercado brasileiro e todos os nossos investimentos são planejados com o objetivo de fornecer a melhor rede de distribuição de conteúdo do Brasil.

 

2.  DNS

DNS

 

A CloudFlare não dá opção nos planos gratuito e Pro. Você deve mudar o DNS para os servidores deles, ou não usa o serviço. Apenas a partir do plano Business, de US$200/mês é que você passa a ter a alternativa de usar um CNAME.

 

Tanto CloudFront quanto GoCache permitem escolher. Se não quiser virar a zona DNS inteira você pode configurar apenas o CNAME das entradas que utilizarão a CDN.

 

Isso deixa a processo de configuração mais simples e com menor custo operacional. Também evita possíveis dores de cabeça com outros serviços do seu domínio, como por exemplo o seu e-mail.

 

3.  Funcionalidades

funcionalidades

 

A CloudFlare limita as funcionalidades conforme o plano contratado. Na GoCache e no CloudFront todas as funcionalidades são liberadas em todos os planos.

 

Na GoCache temos as SmartRules, funcionalidade exclusiva.  Essa funcionalidade permite um nível de customização que nenhuma outra CDN no planeta permite. Customizações que facilitam inclusive o cache de todas as páginas do site (full page cache), mesmo em cenários complexos, como o de um e-commerce. Além de desonerar significativamente o consumo de recursos nos servidores de aplicação e banco de dados, aumenta muito a performance.

 

WordPress e Magento têm a configuração simplificada na GoCache, bastam 2 cliques no painel de controle e os sites que utilizam essas plataformas ficam com a melhor configuração de cache possível. Além disso, temos um plugin que automatiza a limpeza do cache quando você modifica o conteúdo no WordPress, inclusive no caso de comentários em publicações. O uso do plugin é uma facilidade adicional, mas não é obrigatório.

 

Na CloudFlare você precisa instalar o plugin deles para ter mais simplicidade no uso do WordPress, no entanto em um cenário preparado somente para o cache de conteúdo estático, que não tem um importante papel na redução de consumo de recursos em infraestrutura.

 

Para integração do CloudFront com estas aplicações de prateleira é necessário a instalação de plugins de terceiros, além de restringirem o cache somente ao conteúdo estático.

 

4.  Suporte e Preço

suporte

 

A CloudFlare só oferece dois canais de suporte, e-mail ou telefone.

 

Enquanto o suporte por e-mail existe para todos os planos, a prioridade é do plano de US$200/mês ou superior. Suporte via telefone é exclusivo para o plano mais caro, o Enterprise, que começa em US$ 1000/mês. Com o dólar a R$ 3, isso se traduz em R$ 3000, mais R$ 1800 de Imposto de Importação e R$ 180 de IOF, totalizando R$ 4980/mês.

 

No CloudFront você paga o uso de tráfego entre a CDN e o usuário final, entre a CDN e o servidor de origem e conforme a quantidade de requisições atendidas. O tráfego entre CDN e usuário começa com custo de US$ 0,25/GB, o que se traduz em um custo direto de R$ 0,75/GB somados a R$ 0,45/GB de Imposto de Importação e R$ 0,03/GB de IOF, totalizando R$ 1,23/GB transferido. Além disso, não há ganho de escala no tráfego entre CDN e servidor de origem, este custo é sempre de US$ 0,125/GB, o que se traduz em R$ 0,6225/GB (0,375+0,225+0,0225).

 

Não bastando os custos muito acima dos demais, caso queira suporte técnico você ainda deve contratar à parte. O menor valor a ser pago por isso é de US$29/mês para ter apenas o suporte via e-mail em horário comercial e uma quantidade limitada de tickets de helpdesk. Fatorados os devidos impostos, esse custo fica em R$ 144,42/mês (dólar a R$3)!

 

Na GoCache atendemos em todos os canais, e-mail, chat, telefone, Skype e Whatsapp. O atendimento telefônico é priorizado para os planos de maior volume.

 

 

5.  Moeda Estrangeira

dolar

 

Custos atrelados ao dólar são sempre arriscados, nunca sabemos quando a situação internacional vai mudar. Normalmente é quando a situação da economia complica, com queda nas vendas, que estes custos aumentam, “ajudando a piorar” a situação.

 

Além do risco cambial somam-se a esta complicação os tributos e requisitos de Imposto de Renda.

 

A tributação sobre importação de serviços de software é de 60% e o IOF é de 6%. Mesmo no menor plano pago da CloudFlare, de US$ 20, a mensalidade seria de R$ 99,6 (dólar a R$3).

 

No CloudFront, para um plano que comporte a transferência de 100GB/mês, assumindo que somente 10% dos acessos sejam requisitados no servidor de origem e que cada acesso resulte em apenas 20 requisições (com cerca de 100.000 pageviews mensais equivalentes a 2 milhões de requisições) o valor mensal ficaria em US$ 25 (CDN – usuário) + US$ 1,25 (CDN – origem) + US$ 3,2 (requisições), totalizando US$ 29,45 ou R$ 146,66 após os devidos tributos (dólar a R$3).

 

Além disso, é exigência da Fazenda que o valor 15% do pagamento ao fornecedor estrangeiro fique retido. A grande maioria dos usuários do serviço desconhece esta obrigação. Ao deixar de reter esta parcela essas empresas  geram um passivo fiscal que pode resultar em custos significativos no futuro.

 

Na GoCache os planos começam em R$ 19 e não existe nenhuma destas complicações tributárias. Você recebe melhor conectividade e serviço por uma fração do valor pago a qualquer um destes concorrentes.

 

6.  SLA

SLA

O uso de CDN é reconhecido como uma importante configuração para melhorar a disponibilidade dos websites. A própria arquitetura do serviço contribui para melhorar a resiliência, inclusive com proteção contra ataques DDoS.

 

A CloudFlare não garante SLA para os planos gratuito e Pro. Por menos de US$ 200/mês você não terá garantia de disponibilidade ou direito a qualquer tipo de ressarcimento.

 

CloudFront e GoCache oferecem SLA em todos os planos, demonstrando maior compromisso com um serviço de qualidade.[:]