CDN é o acrônimo para “Content Distribution Network“, “Content Delivery Network” ou “Rede de Distribuição de Conteúdo”. O principal objetivo é reduzir o tempo de resposta para o usuário final. Isto é feito direcionando o acesso para servidores localizados geograficamente mais próximos ao local do usuário.

Veja aqui como funciona a GoCache CDN.

Posts

Otimizando Imagens Mobile

Quem visa oferecer uma experiência de navegação mais rápida para sua audiência costuma fazer uso de alguma solução de otimização de imagens, dado que imagens pesadas podem impactar negativamente as métricas de Web Vitals, que estão diretamente ligadas ao motor de busca do Google

Há várias formas de otimizar imagens, seja construindo alguma aplicação local que otimize on demand, algum plugin de otimização de imagens, ou uma CDN que tem a feature pronta na sua borda.

O principal desafio na otimização das imagens é evitar que elas percam qualidade, o que pode deixar a equação ainda mais complexa se há diferentes imagens sendo servidas com diferentes tamanhos, em diferentes patchs. 

O otimizador de imagens da GoCache entrega 3 opções de otimização (webp, jpeg progressivo e remoção de metadados), e uma feature de compressão que pode ser definida em três níveis (baixo, médio e alto).

Uma das grandes vantagens de utilizá-lo é na granularidade da sua customização, sendo uma ferramenta poderosa para o cliente chegar no cenário ideal entre imagens performáticas, e com uma resolução que o satisfaça. 

Trazendo um caso hipotético na aplicação https://testecdn.com.br/, o cliente configurou todas as otimizações e definiu um nível de compressão alto. 

Feito isso, o cliente notou que as imagens que ficam no patch /wp-content/uploads/2021/06/, e que são servidas em dimensões maiores, perdeu um pouco de resolução, sendo o nível “baixo” mais adequado. 

Para não impactar todas as outras imagens que estariam mais adequadas no nível alto, foi criada uma regra definindo um nível de compressão diferente para o patch /wp-content/uploads/2021/06/

Entendendo que 70% da sua audiência é mobile, fez todo sentido para o cliente buscar uma customização que entregue um nível de compressão maior para esses acessos, entendendo também que eles normalmente vem de uma conexão menos potente e com um dispositivo que contempla uma tela menor a ponto de não se enxergar perda de qualidade.

Com pouco esforço, foi criado uma regra na GoCache para otimizar ao máximo as imagens de dispositivos mobile, independente do patch.

O resultado você consegue conferir fazendo um Curl no terminal, vendo o retorno do content-length variando o user-agents desktop ou mobile.

No exemplo acima, a imagem no acesso mobile foi servida com uma carga de 23,5kb ao invés de 60,1kb. Uma redução de tamanho em torno  2,5x menor.

Nesse exemplo tratamos um caso específico em um determinado contexto contexto. Podendo o cenário variar em infinitas possibilidades, a GoCache busca oferecer granularidade na customização do produto através do uso de diversos critérios, podendo ser combinados ou não, e com uso de regexp para englobar os mais variados casos numa única regra.

 

Por Hugo Hazboun, Sales Manager GoCache.

Novo Ponto de Presença (PoP) em Fortaleza

Novo Ponto de Presença em Fortaleza

PoP em Fortaleza

 

Fortal agora faz parte da rede GoCache CDN!

 

Anunciamos oficialmente a ativação do nosso mais novo Ponto de Presença em Fortaleza.

clientes GoCache com visitantes na região Nordeste passarão a ter mais um Ponto de Presença (além do PoP Salvador) melhorando a latência na região. E graça à tecnologia AnyCast toda a rede de clientes GoCache se beneficia de mais um ponto para redundância, mitigação de ataques DDoS e troca de tráfego.

 

E pode ficar de olho pois vem mais PoP por aí, em breve na Região Sul!

 

Equipe GoCache

Novo Ponto de Presença (PoP) no Rio de Janeiro

Novo Ponto de Presença no Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

 

A Cidade Maravilhosa agora faz parte da rede GoCache CDN!

 

É um grande prazer anunciar a ativação do nosso mais novo Ponto de Presença no Rio de Janeiro.

Clientes GoCache com visitantes nesta região passam a ter o benefício da latência ainda mais baixa e toda a rede de clientes se beneficia de mais um ponto para redundância, segurança e troca de tráfego.

 

E pode ficar de olho pois vem mais PoP por aí, em breve ativaremos Porto Alegre e Fortaleza!

 

Equipe GoCache

Case Promobit – economizando custos na AWS com a GoCache CDN

Este post é muito especial, pois foi escrito espontâneamente pelo Leandro Menezes dos Anjos, CIO da Promobit.

Aprecie sem moderação!

 

Redução de custos com AWS e CDN

 

Neste artigo, eu gostaria de compartilhar meu feedback de como a GoCache ajudou o Promobit a trafegar com 8x mais requisições por segundo na BlackFriday sem aumentar nossos custos e, o mais importante, com alta performance.

 

Ocupo a posição de CIO no Promobit, sendo o responsável pela infraestrutura da Startup, ou seja, minha responsabilidade vai desde a segurança, estabilidade e escalabilidade até os cuidados com os custos de servidor que nossa plataforma possa gerar.

 

Somos hoje a maior comunidade de compartilhamento de ofertas do Brasil. Desde 2014 estamos desenvolvendo uma plataforma colaborativa capaz de reunir as melhores promoções do e-commerce, sem esquecer da segurança e da qualidade do conteúdo.

A situação

Com o alto crescimento da nossa plataforma, precisamos mudar nossa infraestrutura e, como qualquer empresa, ainda mais sendo uma startup, o custo é uma questão muito importante. Optamos por escolher a AWS (Amazon Web Services) como solução para nossos servidores, pela facilidade de implementação e pelo aparente preço justo pelo serviço.

 

Não se engane: a AWS possui um leque de soluções sem igual, que facilita e muito a vida do seu SysAdmin e muitas vezes até dispensa tal cargo em sua empresa, quando bem praticada a cultura de DevOps. Mas toda facilidade tem seu preço. No caso da AWS, você paga pelo uso.

O problema

Parece justo não é mesmo? O problema acontece quando você precisa escalar. Quando você deixa 1 servidor web virar 8 para aguentar um pico de acessos no BlackFriday e seu trafego de dados passa de 1 terabyte para 3 ou 4 terabytes mensais.

 

Apenas nesses dois fatores o custo se elevaria significativamente, não concorda?

 

Vamos ao mundo real.

 

Em um acesso na timeline do Promobit, temos aproximadamente 30 requisições apenas de produtos listados e fotos de usuários, fora o HTML, Javascript e CSS que são utilizados para renderizar a página.

 

Vamos pensar que essas imagens possuam uma média de 190 bytes (peguei uma como base), 190 x 30 requisições = 5,7KB. Parece pouco, mas vamos pensar que esse trafego é apenas um acesso e um único usuário.

Em um pico de BlackFriday, em que tivemos cerca de 50 mil usuários simultâneos entre Web e Mobile, você chega a 1.500.000 requisições e 285 megabytes, isso com apenas um acesso de cada usuário.

 

Estamos falando apenas de imagens, que são arquivos estáticos e que eu poderia cachear em algum lugar por não haver nenhum processamento por parte do servidor, é apenas servir a imagem.

A solução

Pensando nisso adotamos a GoCache para servir como nossa CDN, ficando responsável por cachear parte do conteúdo e servir esse mesmo conteúdo a nossos usuários sem precisar encostar em nossos servidores novamente.

 

Agora quando um usuário acessa a Timeline e faz aquelas 30 requisições, elas são cacheadas. Na prática, o que acontece é que das 1.500.000 requisições que eu deveria receber apenas por servir imagens, agora eu recebo apenas 30. As outras 1.499.970 requisições a GoCache responde por mim com o conteúdo correto.

 

Com isso obtivemos a economia de uma máquina, uma vez que eu recebia essas requisições pelo meu EC2 e depois redirecionava o acesso aos arquivos em um S3.

Agora eu preciso de menos maquinas WEB e meu site responde mais rápido, uma vez que ele se preocupa apenas com o conteúdo dinâmico, e eu economizo banda do meu S3, que é um dos fatores de custo da AWS.

 

Falando em números:

consumo promobit

Hoje economizamos em média 95% da nossa banda com a CDN e uma média de 87% das requisições nós não precisamos nos preocupar em processar a resposta.

 

Isso reflete em toda a infraestrutura da aplicação. Não utilizamos esse conceito apenas para arquivos estáticos, mas algumas páginas com conteúdo dinâmico também. Então economizamos com nosso trafego interno entre as máquinas, processamento e memória RAM de servidor de banco de dados, servidor de cache, load.balancer, servidores web etc. Ou seja, tudo que possa envolver uma requisição e que eu possa de alguma forma cachear a resposta HTTP, eu posso deixar nas mãos desse serviço.

O resultado

Essa economia resulta diretamente em nosso financeiro, uma vez que um valor que giraria em torno de $1.800,00 na AWS passa a custar uma média de $700,00.

 

Acertamos em adotar a GoCache como parceira. No dia-a-dia, ela não apenas se paga pela economia que gera, mas também agrega em todo nosso ecossistema, oferecendo uma experiência melhor a nossos usuários e entregando nosso conteúdo de forma mais rápida, além da proximidade com seus clientes, em que fazem um ótimo trabalho de coletar feedbacks e implementar funcionalidades que realmente utilizamos.

10 dicas para melhorar o desempenho do seu site

site fora do ar

Dicas para evitar que o seu site fique fora do ar

 

Introdução

 

Site fora do ar é um dos pesadelos de quem tem um negócio online pois isso pode comprometer diretamente sua empresa, seja ela física ou virtual. Mas infelizmente isso pode acontecer.

 

Conheça 10 motivos que podem deixar o seu site fora do ar e entenda o que você pode fazer para evitar que isso aconteça.

 

1. Domínio

Quando um domínio é registrado pelo usuário a validade é de um ano. Muitas pessoas não entendem isso ao contratar os planos de hospedagem, por exemplo, e acreditam que o domínio é vitalício. Não é.

 

Outra coisa que se confunde é a contratação e renovação de um domínio e de uma hospedagem. São ações totalmente diferentes e necessárias para garantir que o site continue no ar. Pode também acontecer de se contratar uma hospedagem sem domínio, no qual o registro de domínio pode ser feito separadamente.

 

É preciso renovar anualmente o seu domínio. Do contrário, seu site ficará fora do ar pois sem o domínio não é possível ser encontrado na internet e pode fazer com que seu site fique fora do ar.

 

Solução: mantenha a renovação e pagamento do seu domínio em dia. Caso já tenha expirado o prazo, verifique se o seu domínio ainda continua disponível. Geralmente as empresas de hospedagem comunicam sobre domínios a expirar, renovação e prazos antes do seu domínio se tornar público disponível ao novamente.

 

Consulte o status do seu domínio no Who is e no Registro.br, sendo este somente para domínios nacionais.

 

2. Servidor

Pane, mau funcionamento, sobrecarga, problemas de configuração, ataques DDoS ou DDo. Todos esses motivos podem ser causas para que servidores dedicados ou virtuais deixem um ou vários sites fora do ar.

 

Solução: Se você sabe que a causa é o servidor virtual, verifique as configurações e se não há algum código quebrado que esteja causando o dano. Caso não tenha conhecimento técnico para isso, conte com o suporte do seu servidor. Alguns serviços incluem suporte 24/7.

 

Outra solução é verificar os logins de acesso e analisar os dados para ver se existe algum acesso malicioso. A existência disso pode bloquear o acesso para determinadas faixas de IP.

3. Problemas e erros de Programação

No momento da programação de um site, uma única letra fora do lugar pode comprometer todo o funcionamento e deixar o seu site fora do ar.

 

Solução: Para se arriscar a manipular a programação do seu site é esperado que você tenha conhecimento técnico pra isso ou deixe por conta do programador. O que deve ser feito é identificar o erro e consertar a codificação do site conforme a sua linguagem. Além disso, sempre teste as alterações em servidores locais antes de publicar nos servidores de produção.

4. Ataques e invasões de hackers

Mais comuns em sites com informações valiosas, instituições financeiras e banco de dados, ataques e invasões de hackers podem acontecer por pessoas mal intencionadas para tomar posse ou prejudicar marcas e empresas.

 

Ataques DDOs são causados por máquinas fantasmas que forçam o acesso simultâneo sobrecarregando do servidor e podem causar lentidão e até mesmo tirar o site do ar.

 

Solução: Para qualquer site recomendamos o investimento em segurança digital. Desde certificados de segurança, senhas elaboradas e monitoramento de quaisquer alterações no site que não estejam dentro da rotina. Outra dica importante é o uso de um CDN que mantém réplicas de conteúdo na memória (cache) e entrega aos visitantes mesmo com o site fora do ar.

5. Problema com a hospedagem de sites

Problemas na infraestrutura da empresa que oferece sua hospedagem de sites podem acontecer e fazer com que o seu site e de outras milhões de pessoas sejam atingidos e até fiquem fora do ar.

 

Solução: Não tem onde recorrer quando o problema é na hospedagem se não a eles mesmo. Por isso tenha certeza de ter contratado a melhor hospedagem de sites.

 

Dependendo do tempo em que o seu site ficou fora do ar e os danos causados, é possível pedir ressarcimento dos prejuízos caso seja previsto em contrato. Recomenda-se também que faça o backup do seu site com frequência e salve em outro local que não seja a hospedagem de sites.

 

6. Incompatibilidade com aplicações e plugins

Instalar novos aplicativos e plugins pode gerar incompatibilidade e “confundir” o servidor sem saber para onde direcionar aquele acesso. Isso pode fazer com que o seu site fique fora do ar. O mesmo pode ocorrer caso instale plugins ou script de procedência duvidosa que podem conter vulnerabilidade no site e abrir caminhos para possíveis invasões.

 

Outra causa seria a incompatibilidade da versão do PHP da hospedagem. Um exemplo disso é se o plugin ou script foi desenvolvido para PHP 5.6 e na hospedagem tiver rodando PHP 7.x o plugin pode apresentar problemas.

 

Solução: Identifique qual aplicativo ou plugin está com problemas e exclua. Mas antes de excluir tenha certeza de que isso não afetará as demais áreas do seu site. É recomendado que conte com uma ajuda profissional para isso.

7. Acesso ao banco de dados

Caso você utilize algum CMS no seu site, como o WordPress, é possível que aconteçam erros ao estabelecer uma conexão. Isso pode acontecer porque o seu banco de dados está corrompido, seus dados de login estão errados ou o servidor que hospeda o seu banco de dados está inativo.

Solução: Verifique o que causa o erro, as configurações de conexão do banco de dados e entre em contato com a sua empresa de hospedagem. Este vídeo ensina passo a passo como solucionar esse erro.

 

8. Site mal optimizado

Um site pesado, que demora para carregar e mal otimizado pode sobrecarregar o servidor de hospedagem e deixar o seu site lento e até mesmo fora do ar.

 

Solução: Use as boas práticas de otimização, sistemas de cache e removas os scripts desnecessários. Utilize ferramentas para medir o desempenho e velocidade do seu site em diferentes dispositivos.

 

Também na sua hospedagem atual verifique se há um sistema de compactação que melhora o desempenho.

 

9. Servidores DNS

DNS vem da sigla Domain Name System e resolve o nome de domínios para um determinado endereço de IP. É o caminho entre um e outro, pois ele traduz o endereço do IP para o nome do domínio e faz a conexão com o site.

Solução: Este site permite saber conferir o status real do DNS e a também a disponibilidade. Alterações e redirecionamento de NS devem ser feitos manualmente quando é feito a troca do servidor de hospedagem.

 

10. Problema do usuário

 

Um dos motivos primários que podem gerar problemas na hora de acessar um site está diretamente ligado a conexão de internet do usuário bem como vírus ou scam na máquina.

 

Solução: Verifique sua conexão com a internet e faça manutenção e atualização da sua máquina com frequência.

 

Como saber se meu site está realmente fora do ar?

Nem sempre o problema está no site ou na tecnologia dele. Para consultar se um site está realmente fora do ar consulte ferramentas como o Fora do Ar e o esta ferramenta que diz se o seu site está fora do ar para todos da rede ou somente para você.

Conclusão

 

Ao lançarmos um site, blog ou loja virtual não esperamos passar por estes problemas mas eles existem e precisamos estar dispostos a resolvê-los.

 

Mantenha a manutenção do seu site em dia e invista na segurança. Muitos desses problemas podem ser evitados com um serviço de hospedagem de site de alta qualidade e com garantia de uptime, que varia de 99,5 a 99,9%.

 

Este artigo foi produzido pela Hostinger, que oferece hospedagem barata com uptime de 99,9%, registro de domínio grátis e certificado SSL para planos anuais.

 

Firewall Global na GoCache – proteção simples e eficiente para seus sites

Lançamento GoCache – Firewall Global

Novidade saindo do forno da nossa equipe de desenvolvimento! Clientes GoCache com múltiplos domínios em nossa plataforma contam com uma nova funcionalidade, o Firewall Global.

 

Qual é a diferença do Firewall Global?

 

Na GoCache todas as configurações são isoladas por domínio. O Firewall aplica as regras de whitelist/blacklist somente para o domínio onde foram configuradas.

Já o Firewall Global permite que as regras sejam aplicadas para os demais domínios presentes na conta.

Isso é extremamente útil para clientes com múltiplos domínios, como por exemplo é o caso das plataformas de e-commerce e agências digitais.

No dia a dia da operação deste tipo de cliente são comuns as tentativas de ataques. Muitas vezes sem saber qual site era o ofensor, havia a necessidade de criar uma regra de Firewall em cada domínio para mitigar esses acessos maliciosos na GoCache. Agora, com um único clique (ou chamada em nossa API), uma regra pode ser aplicada a todos os domínios de uma só vez.

 

Como funciona o Firewall Global?

 

No menu “Segurança” do seu painel de controle, acesse a aba “Firewall” e crie a regra desejada. Você verá que agora os botões exibidos na conclusão da regra são “Salvar para este domínio”, “Salvar para todos domínios”, além do botão “Cancelar”.

 

firewall global

A opção “Salvar para todos domínios” faz com que a regra seja automaticamente replicada para os demais domínios presentes na conta.

É possível identificar a regra global na lista de regras pois ela é assinalada como aplicável a todos os domínios:

firewall global regras

A regra global é exibida na lista de regras de firewall no mesmo formato para todos os domínios de uma mesma conta, no exemplo deste artigo a regra foi criada para o domínio gocache.com.br, veja o que aparece no painel do domínio gocache.net:

firewall global dominio extra

 

Com a implantação do Firewall Global as configurações de controle acesso ficam ainda mais fáceis e práticas para que administra múltiplos domínios na plataforma GoCache.

 

Safer, Faster, GoCache!

 

6 Dicas para acelerar o seu site Joomla

6 Dicas para acelerar o seu site Joomla 3.x

 

Site site Joomla está muito lento? Isto não é bom!

Existem dois motivos principais para acelerar um site: 1) trazer maior engajamento do visitante, que vai ficar mais tempo no seu site e 2) Melhorar seu posicionamento nas pesquisas do Google, também conhecido como SEO, ou otimização para mecanismos de busca.

Você se pergunta por que o seu site do Joomla carrega tão devagar, mesmo já tendo atualizado para a versão 3.x, não é?

Bem, vamos ver 6 dicas que você pode usar agora para acelerar seu site Joomla 3.x.

Porque a velocidade do seu site Joomla é importante?

Os visitantes não querem esperar, eles vão deixar o seu site se demorar muito para carregar. Portanto, acelerar o seu site trará como valor agregado um maior envolvimento, retenção e iteração do visitantes.

Além disso, o Google anunciou que a velocidade do site afeta seu ranking de pesquisa, algo que na verdade todo mundo já imaginava: os sites mais rápidos são classificados muito melhor nas buscas, porque eles oferecem aos visitantes uma melhor experiência. E isso é bastante sensato.

Você se perguntou por que o seu site do Joomla está lento e carrega tão devagar, mesmo atualizando pra versão 3.x, não é?

Vamos lá, com essas dicas você vai turbinar seu website:

1. Escolha o um bom servidor de hospedagem:

Seu site provavelmente foi colocado no mesmo servidor que centenas ou milhares de outros sites. Isso pode impactar na velocidade, deixando lento o Joomla quando muitos clientes tentam acessar o servidor ao mesmo tempo.

Portanto, assegure-se de que você escolheu a hospedagem certa em um bom provedor, que pode atender a todos os requisitos de hospedagem do Joomla, ou seja: um número limitado de sites por servidor, suporte de hardware do servidor, suporte ao cache do servidor, suporte de especialistas Joomla… Alguns sites de hospedagem são populares e conhecidos. Os provedores de hospedagem recomendados pelos usuários Joomla são: Bluehost, Inmotion, HostGator, Arvixe…

2. Use uma CDN:

Uma boa CDN é capaz de turbinar seu website Joomla, pois adiciona uma uma série de ferramentas como gerenciamento automático de cache para conteúdo dinâmico e estático, distribuição de conteúdo em diferentes servidores, compressão automática de imagens, etc.

Existem atualmente algumas CDNs bem simples de configurar e umas até mesmo com uma pré-configuração automática para o Joomla. Veja o painel da GoCache, por exemplo, você ativa a aceleração para Joomla com um clique:

cache para joomla

Uma CDN também acelera seu site em diferentes regiões do país e do mundo. Teste seu site nessa ferramenta: www.sitespeed.com.br, por exemplo, e verá como ele se comporta mais lento dependendo da Região.

Se você escolher uma CDN adequada, você garante que os visitantes das regiões mais importantes pra você terão um acesso rápido ao conteúdo. Por exemplo, se seus usuários estão no Nordeste do Brasil ou no Japão, você precisa de uma CDN com presença nesses lugares.

Veja neste link mais detalhes de o que é uma CDN.

 

3. Habilitar a Compressão Gzip

Usando o recurso Compactação Gzip, você pode compactar as páginas do seu site antes de enviá-las para o usuário. Depois disso, eles serão descompactados pelo navegador do usuário. Isso torna tudo mais rápido e ainda economiza banda de seu servidor e de seu usuário.

Por padrão, a Compressão Gzip está desativada no Joomla 3.x. Portanto, você deve habilitá-lo manualmente seguindo estas etapas:

No Menu superior, selecione Site > Configuração global> Servidor, e mude a opção Compressão Gzip para SIM.

gzip no joomla

Lembrando que uma boa CDN também já faz esse processo automaticamente.

4. Habilitar o sistema de cache do Joomla

A maioria dos sites tem conteúdos que não são alterados com freqüência. Portanto, a teoria do cache do Joomla é muito simples: o sistema faz uma cópia da página na primeira vez que ele a carrega. Quando algum usuário visita novamente esta página, a cópia anterior será exibida sem regerar a página e, se for o mesmo usuário, sem recarregar as mesmas imagens e arquivos.

Certifique-se de que você habilitou o sistema de Cache do Joomla. Este é um passo muito simples, mas pode aumentar muito a velocidade de carregamento do seu site. Você pode fazê-lo da seguinte maneira:

Configuração Global> Sistema> Configuração de Cache, e alterne Cache para “ON – Conservative Caching”. Em ‘Cache time’, escolha 30 (minutos) para que um arquivo de cache seja armazenado por 30 minutos antes de ser atualizado.

cache no joomla

Lembrando que CDNs também fazem cache do seu conteúdo, mas nesse caso, o Cache da CDN será um segundo nível, acima do cacho do próprio sistema Joomla.

 

5. Configurações de otimização (Imagens, CSS, Scripts Java …)

Aqui estão as otimizações que precisam ser usadas para acelerar seu site:

  • Imagens: não tente carregar imagens em grande escala, redimensione-as antes de fazer o upload e as comprima em algum site como Smash.it ou TinyPNG.
  • Template: tente usar um modelo/template  mais leve e simples. O simples é sempre o melhor.
  • Reduza o tamanho dos arquivos CSS e Javascript; Use um “minify” para comprimir e junte arquivos CSS e Javascript, para reduzir a quantidade de pedidos HTTP e o tamanho dos arquivos.
  • Limpe Joomla com freqüência e remova tudo o que não precisa: componentes não utilizados, módulos, plugins, consultas “Não encontradas”, etc.

6. Verifique a Velocidade do Site Joomla

Não esqueça o passo final: verifique a velocidade do seu site. Você deve fazê-lo antes e depois de seguir todas essas dicas. E não se surpreenda quando você ver o quão mais rápido seu site vai ficar. Você pode fazer isso usando uma dessas ferramentas: plugin YSlow Chrome, ferramentas Pingdom, Google PageSpeed, SiteSpeed.com.br ​ou GTmetrix …

 

pagespeed joomla

Exemplo de uso do Page Speed do Google

Ok, acho que é suficiente para acelerar o seu site Joomla 3.x. Por favor, compartilhe sua experiência conosco na área de comentários. Você tem algum outro truque para melhorar a velocidade de carregamento do Joomla? Por favor, compartilhe conosco comentando abaixo!

CDN JQuery Gratuita no Brasil

Nova CDN JQuery Gratuita no Brasil

A GoCache tem o prazer de anunciar a mais nova CDN JQuery do Brasil. E melhor, totalmente gratuita!

Com a constante meta de tornar mais rápida a internet no Brasil, a GoCache traz mais uma importante novidade: A primeira CDN JQuery espalhada por todo o território brasileiro.

Isso mesmo, ao contrário de outras CDNs como Google, MaxCDN, CDNJS, CloudFlare, que possuem apenas um ou dois pontos de presença no Brasil, a GoCache conta com diversos servidores espalhados por todo o país.

Com isso, a CDN da GoCache garante que os usuários de seu site sempre terão um servidor JQuery por perto, acelerando muito o carregamento dos arquivos.

CDN

Para você entender melhor, vejamos um exemplo:

  • Um usuário de seu site mora no Nordeste, digamos Fortaleza. Se você utiliza outras CDNs, os arquivos JQuery estarão em servidores no Rio de Janeiro ou São Paulo, então a requisição de seu usuário deverá percorrer milhares de quilômetros, até ir e voltar, de Fortaleza a São Paulo, podendo levar vários segundos (que somados, derrubam o desempenho do seu site).
  • Se você estiver utilizando a CDN Jquery da GoCache, certamente haverá um servidor muito próximo deste mesmo usuário. Desta forma, ao invés de milhares de quilômetros, a requisição deste usuário percorrerá apenas algumas dezenas de quilômetros, obtendo os dados em milésimos de segundos e aumentando muito a performance e velocidade do seu site.
  • O mesmo ganho de desempenho você terá com todos os usuário do seu blog, site ou e-commerce, independente de estarem em Manaus, Porto Alegre, Cuiabá ou qualquer outra cidade do Brasil.

E o melhor de tudo, essa CDN JQuery é Grátis, reafirmando o compromisso da GoCache em deixar a internet brasileira cada dia mais rápida.

Portanto, utilizando a CDN para hospedar seus arquivos JQuery, você aumenta o desempenho do seu site e ainda economiza com banda, ou seja, diminuiu o tráfego de dados em seu servidor web, economizando na sua conta no final do mês.

Por fim, os arquivos JQuery hospedados na CDN utilizam tanto o protocolo HTTP quanto o protocolo HTTPS, permitindo que você aumente o nível de segurança em seu site, utilizando certificados SSL.

Se você já usa outra CDN, veja como é simples mudar para a CDN JQuery da GoCache:

Com apenas algumas pequenas alterações em seus scripts, você pode mudar rapidamente para a CDN Jquery da GoCache, usufruindo da velocidade dos diversos servidores espalhados pelo país.

 

Suponha que você está usando a CDN do Google, você encontrará alguma linha semelhante a esta em seus scripts (colocamos cores para ajudar na explicação):

<script src=’https://ajax.googleapis.com/ajax/libs/jquery/1.4.3/jquery.min.js’ type=’text/javascript’/>

Bastará substituir o servidor CDN do Google (que está em azul) pelo da GoCache e colocar a versão, que está em verde, junto com o nome da bliblioteca JQuery que quer usar, desta forma:

<script src=’https://jquery.gocache.net/jquery-1.4.3.min.js’ type=’text/javascript’/>

 

Se você estiver usando os arquivos do próprio site da JQuery (que é provido pela MaxCDN), a alteração é ainda mais simples:

<script src=’https://code.jquery.com/jquery-1.4.3.min.js’ type=’text/javascript’/>

Basta alterar apenas o nome do servidor da CDN, pois o nome da bliblioteca JQuery continua o mesmo:

<script src=’https://jquery.gocache.net/jquery-1.4.3.min.js’ type=’text/javascript’/>

 

Utilizando outras bibliotecas JQuery da CDN GoCache:

Você pode também navegar diretamente pelo repositório com todos os arquivos .CSS e versões das bibliotecas .JS pertencentes ao projeto JQuery, como “color“, “JQuery UI“, etc.

Para visualizar todas as bibliotecas existentes na CDN, basta acessar diretamente o diretório raiz, em https://jquery.gocache.net e você verá algo como abaixo:

bibliotecas jquery

Desta forma, basta você escolher a versão que mais te agrada e usar a hospedagem JQuery da GoCache pra acelerar seu site e economizar tráfego e banda de seu servidor!

 

Qualquer dúvida ou sugestão, não deixe de colocar nos comentários abaixo:

Como otimizar o desempenho do Magento

Você chegou aqui porque quer saber como otimizar o desempenho do Magento, certo? Algumas pessoas costumam reclamar que a Plataforma Magento é lenta, mas saiba que é possível torná-la um aplicativo de e-commerce muito rápido.

Para isso você pode precisar de alguns recursos adicionais, como CPU e memória. Mas também precisará de tempo e conhecimento.

Para essa última parte – conhecimento – a lista abaixo deve te ajudar bastante.

Ative a Cache do Magento

Este é, naturalmente, o primeiro passo na otimização: habilite todos os caches disponíveis no “Magento Admin Panel”.

Comprimir imagens

Muitas pessoas esquecem que as imagens (PNG, JPG) podem ser compactadas, o que diminui bastante o tráfego entre o navegador e o servidor web. Não apenas as imagens usadas pela “skin” do Magento precisam ser otimizadas, mas também as imagens de catálogo. Várias ferramentas permitem comprimir lotes de imagens, por exemplo, a ferramenta online Smush.It. Um outro site muito bom é o TinyPNG

compactar imagens

Servir conteúdo estático através de uma CDN

O conteúdo estático, como imagens, folhas de estilo CSS ou JavaScript, pode ser servido através de outros servidores mais otimizados para conteúdo estático e espalhados pelo mundo. Por exemplo, uma CDN pode ser usada para que o conteúdo estático seja sempre servido a partir de um local mais próximo do visitante do seu site. Isso é vital para as webshops que atendem clientes em todo o mundo ou em países grandes como o Brasil.

Mas fique atento, pois nem todas CDNs tem multiplos servidores espalhados pelo país. No Brasil, por exemplo, apenas a GoCache e a Akamai possuem multiplos pontos de presença (também conhecidos como PoPs). Já as CDNs como a CloudFlare, CloudFront e Fastly, possuem apenas um ponto, normalmente na cidade de São Paulo ou Rio de Janeiro.

Servir conteúdo dinâmico através de uma CDN

Essa é uma tecnologia muito nova e que trás um gigantesco ganho para e-commerces como Magento, Woocommerce, etc.

Basicamente, a CDN armazena as páginas do seu sistema. As páginas são mais pesadas em termos de processamento, pois consomem CPU e memória toda vez que são requisitadas pelos visitantes.

Ao guardar as páginas em cache, a CDN pode economizar até 90% do processamento de seu servidor.

Para isso, a CDN precisa ser capaz de identificar quais desses dados dinâmicos ela deve ou não requisitar novamente ao seu servidor. Esta é uma tecnologia bastante nova e sofisticada, portanto apenas algumas CDN a possuem, as chamadas “NextGen CDN” ou “CDN de última geração”. Na GoCache essa tecnologia se chama SmartCache e está disponível em todos os planos.

Desativar módulos Magento desnecessários

Ao desativar os módulos Magento que você não precisa, são utilizados menos recursos de seu servidor – simples assim. Os módulos podem ser desativados através da configuração no “Magento Admin Panel”, ou editando arquivos XML no app/etc/ modules. Por exemplo, desative Mage_Log que executa consultas em todas as solicitações, mas não é necessário se você coletar estatísticas do site usando programas externos.

Habilitar catálogos “flats” (ou planos) para webshops pequenos

Para webshops menores, mudar a estrutura EAV complexa para um catálogo plano pode economizar tempo. Esta otimização é um pouco duvidosa e depende de muitos parâmetros, então não tome esse passo de forma leve.

Conformidade do W3C

Embora se possa argumentar que isso é menos importante com a chegada do HTML5, ainda é um fato que, se suas páginas da web estiverem cheias de erros feios, o navegador terá dificuldade em interpretá-lo. Se você cumprir a conformidade do W3C, é fato que o mecanismo do navegador terá um trabalho fácil ao analisar seu código HTML.

Comprimir os dados de saída

Ao habilitar a configuração PHP zlib.output_compression, a saída gerada pelo PHP é compactada quando enviada para o navegador. Isso economiza banda de seu servidor.

Se preferir, você pode usar o módulo ap_ mod_deflate, que permite também a compressão de saída em outros formatos, além do PHP (CSS, JavaScript, outros arquivos de texto simples).

Configurar opções de PHP

A maioria das configurações do PHP realmente não influenciam o desempenho do Magento, apenas estabelecem determinados limites. Por exemplo, as configurações como memory_limit e max_execution_time não melhoram o carregamento da página, mas garantem de que certas ações não vão tomar tempo e processamento demasiado ou que não gerarão problemas de uso de memória.

Armazenamento de sessão

Com o Magento, as sessões podem ser armazenadas em arquivos ou no banco de dados (configurando app/etc/local.xml). Qual opção funciona melhor, realmente depende de como o ambiente de hospedagem está configurado. Se os bancos de dados MySQL funcionarem bem, o armazenamento de sessão no banco de dados poderá beneficiar seu site. Mas se o MySQL não está configurado corretamente, a melhor escolha pode ser arquivos.

Use um acelerador PHP

Com o opcode caching, a execução do PHP pode ser acelerada. Existem vários aceleradores PHP que fazem esse trabalho (APC, ZendOptimizer+, eAccelerator, XCache). Tanto o APC quanto o ZendOptimizer+ estão funcionando perfeitamente com o Magento.

Ajuste realpath_cache do PHP

Ao ajustar o realpath_cache_size para, por exemplo, 128K (padrão é 16K) e o realpath_cache_ttl para 86400, você pode conseguir uma boa melhora no desempenho. Certifique-se de não ficar sem memória, porque cada instância (ou child) Apache consumirá o tamanho de cache que foi configurado.

Use Apache mod_expires

Ao dizer ao navegador quais arquivos manter no cache e por quanto tempo, você pode otimizar o cache do navegador. Por exemplo, os arquivos JavaScript tendem a mudar muito menos, em seguida, arquivos CSS (pelo menos após primeiros estágios do site), mas talvez, depois que o site estiver maduro e no ar por alguns meses, você possa aumentar a “data de validade” destes arquivos na cache, melhorando ainda mais o desempenho.

Cuidado com 404 erros

Sempre que um arquivo (como uma folha de estilo ou imagem) não é encontrado, isso gera um erro 404. Como o padrão 404 do Magento é capturado pela aplicação do próprio Magento, isso faz com que o aplicativo reinicie a cada erro 404 encontrado. Verifique o log do Apache para garantir que todos os 404 erros sejam resolvidos.

Desativar o log do Magento

Dentro da configuração do Magento, você pode ativar o log na guia Desenvolvedor. Dependendo dos módulos habilitados, isso pode gerar muitos dados pra serem gravados no sistema de arquivos, diminuindo a velocidade da sua loja virtual. Como os logs só são necessárias para depurar algum erro, no uso diário, é melhor desabilitar os logs completamente.

Otimização de tabela MySQL

Através do phpMyAdmin, você pode executar o comando OPTIMIZE TABLE em tabelas específicas do banco de dados do Magento. Quando uma tabela está desordenada, esse comando pode melhorar consideravelmente o desempenho. Isso funciona não apenas para as complexas tabelas EAV, mas também para tabelas MySQL regulares que são usadas com frequência (por exemplo, core_config_data).

Mesclar CSS e JavaScript

Ao combinar todos os arquivos CSS e JavaScript em um único e grande arquivo, o navegador precisará fazer apenas uma solicitação HTTP para receber todo o conteúdo. Isso aumenta muito a velocidade da transferência dos dados para os usuários.

Para juntar esses dados, o módulo FooMan Speedster pode ser usado. O Magento 1.4 contém uma opção para juntar os CSS, enquanto os arquivos JavaScript já são juntados por padrão.

Além de juntar os arquivos, o crunching também é uma opção oferecida pelo FooMan Speedster: ele remove os espaços em branco da saída, mas quando já estamos utilizando compressão no CSS, essa opção é menos necessária.

Use o módulo compilador do Magento

O módulo compilador do Magento limita o número de diretórios que o PHP tem para pesquisar ao procurar arquivos PHP. Isso diminui o tempo de execução do PHP, o que acelera o Magento como um todo.

Lembre-se de que você precisa ter cuidado ao fazer alterações no seu sistema Magento enquanto o compilador Magento está habilitado. As atualizações só devem ser realizadas quando o compilador estiver (temporariamente) desativado.

Um truque muito elegante que acelera as coisas tremendamente é criar um tmpfs-mount especificamente para a pasta include/src. Observe que este tmpfs-mount precisa ser pelo menos 100Mb – de preferência 200Mb.

Ajustes no servidor MySQL

A configuração padrão do MySQL é muitas vezes suficiente para executar um ambiente de hospedagem geral, mas não é otimizado para o Magento. Ajustar configurações como query_cache_size pode aumentar drasticamente o desempenho, mas também é perigoso porque depende muito de outras variáveis ​​(número de bancos de dados, número de tabelas por banco de dados, número de consultas, picos de uso).

 

Desativar módulos Magento locais

Se o seu site não precisar de módulos Magento locais, você pode optar por ignorar a busca de todos esses módulos. Dentro do arquivo app/etc/local.xml, você encontrará uma tag XML que permite que você faça isso.

Tenha cuidado com o HTTPS

Toda vez que você usa SSL entre o servidor web e o navegador, o processo de criptografia e decodificação é adicionado em ambos os lados. Também há uma pequena carga extra no tráfego gerado.

O site Magento roda um pouco mais rápido se você desativar SSL para todas ou ao menos algumas páginas. No entanto, este ganho é tão pequeno em comparação com os outros nesta página, que deve ser tratado com cautela. A banda que você economizou não será enorme, e atualmente o processo de criptografia/decriptografia ocorre em microssegundos.

No entanto, você irá remover a segurança que o HTTPS traz ao seu site e seus usuários e, com isso, você pode perder os clientes que são mais cautelosos e preocupados com segurança e cyber-ataques.

Magento na nuvem (cloud)

Embora as CDNs possam ser usadas ​​para otimizar a banda para conteúdo estático e, em alguns casos, também o processamento do conteúdo dinâmico, rodar o Magento utilizando “cloud-computing” pode te dar mais escalabilidade em momentos de pico de processamento.

Sistema de arquivos baseado em memória para dados dinâmicos

A quantidade de acessos a disco será muito reduzida ao armazenar dados dinâmicos (diretórios var/cache, var/session) em um sistema de arquivos baseado em memória, como RAMdisk ou tmpfs. Além disso o acesso a estes dados em memória é extremamente mais rápido que em disco.

Desabilitar arquivos .htaccess do Apache

Ao utilizar arquivos .htaccess, você obriga o Apache a inspecionar cada diretório do “path” para ver se este arquivo está presente.

Ao mover essas diretivas de configuração do arquivo .htaccess para o arquivo de configuração do VirtualHost, desligando todos os arquivos htaccess, o tempo de execução do Apache será bem melhor.

Use Nginx ou Litespeed

Enquanto o servidor Apache é muito flexível em suas configurações, existem outros servidores web que são melhor otimizados quanto ao uso da memória. Ao substituir o Apache pelo Nginx ou Litespeed, você poderá acelerar ainda mais os scripts Magento. Ambos os webservers requerem configuração manual para permitir URLs amigáveis para SEO.

Use “lazyload” para imagens

Quando uma página está sendo carregada, um visitante pode perder muito tempo esperando o carregamento das imagens. Dependendo do número e tamanho dessas imagens, isso pode levar tempo considerável.

Em vez de carregar as imagens ao mesmo tempo que a página, você pode utilizar o efeito de LazyLoad JavaScript que garante que apenas as imagens visíveis (dentro da tela do navegador) sejam carregadas, enquanto que as imagens remanescentes são carregadas apenas quando o visitante se desliza para baixo.

Além de acelerar o carregamento da página, ainda irá economizar banda em seu servidor.

Minimizar o log do Apache

Se o log do Apache for minimizado, serão necessárias menos operações de escrita em disco, que são feitas em cada requisição de dados que seu servidor recebe.

É claro que um log mais simples também significa “menos visão” quando algo der errado.

Se precisar dos logs do Apache, uma alternativa é otimizar o sistema de arquivos no qual eles são armazenados. Por padrão, o Apache faz log no sistema de arquivos em “/var” – mas não há necessidade de habilitar coisas como o “journalizing” para esse sistema de arquivos, deixando-o assim mais rápido.

Use com sabedoria o “Full Page Cache”

Existem várias soluções de Cache de Página Completa (FPC) lá fora, sob a forma de extensões (LestiFPC, Enterprise Edition) ou soluções completas (Nginx, Varnish). Em todos os casos, o FPC não deve ter o primeiro foco. Quando a sua loja Magento está lenta, é devido razões específicas, e esses motivos precisam ser investigados.

Quando as páginas do seu e-commerce estão rápidas (graças ao FPC), mas suas páginas dinâmicas ainda estão lentas, perde-se a ideia geral dessas otimização, que é: ter um site rápido para atrair mais clientes, ter um posição melhor no Google, vender mais.

Então, em geral, o FPC deve ser implementado apenas para deixar ainda mais rápido um site que já é rápido, que já está muito bem configurado.

Ajuste apenas o que é necessário

Uma estratégia de ajustes é ajustar tudo ao máximo, literalmente tudo. Isso significa que você está ajustando o máximo desempenho e espremendo cada milissegundo de todos os seus componentes. No entanto, você também precisa do tempo e recursos para isso.

Outra estratégia é ajustar exatamente aqueles pontos que precisam de mais atençao. Isso é mais eficiente, mas exige que você saiba qual ajuste teria o maior impacto.

A grande questão de quais ajustes devem ser feitos primeiro não pode ser respondida sem uma análise personalizada. Normalmente, um especialista em desempenho de Magento precisaria entrar e verificar toda a loja antes que um conselho sólido fosse dado.

Você pode procurar no site Magento Performance Insights algumas dicas de por onde começar suas otimizações.

 

 

Este artigo foi traduzido de https://www.yireo.com/tutorials/magento/magento-performance/1056-magento-spo