, ,

Como proteger seu site, loja virtual ou APP contra SQL Injection, XSS e Brute-Force usando WAF

Como proteger seu site ou loja virtual com WAF

 

Quem não está preocupado com a segurança da sua aplicação online? Quer saber como proteger seu site ou loja virtual com WAF? Vamos demonstrar neste artigo.

A configuração da segurança na camada de aplicação é crucial. Falhas podem levar a enormes prejuízos, financeiros e de reputação da sua marca.

Se você pensa que este é um problema exclusivamente das grandes empresas, ledo engano. Mais de 60% dos ataques têm como alvo as empresas de pequeno e médio porte. E a má notícia é que, caso um ataque destes seja bem sucedido, mais de 60% destas empresas irá fechar por não ter recursos suficientes para se recuperar.

Para um blog, perda ou deformação de conteúdo. Uma loja virtual pode sofrer roubo de dados, ou até mesmo fraudes em suas transações comerciais. Um aplicativo móvel pode ter suas chamadas de API clonadas e sofrer todos estes sintomas. A área administrativa de qualquer destas aplicações pode ser indevidamente acessada e o estrago pode ser irreparável.

Quem quer correr estes riscos?

Mas a pergunta que importa mesmo é, como saber se o seu site/loja/app está vulnerável? Ou se está na “mira” de algum usuário mal-intencionado?

Um case de uso do WAF

Resolvemos abrir um case para vocês, o do nosso próprio site – www.gocache.com.br

Em nosso site utilizamos o WordPress em sua última versão, com todos plugins atualizados e hospedado em servidor virtual.

Pouco antes de lançarmos nossa solução de WAF, partimos para o teste final, nada mais justo que testar a ferramenta em nosso site de produção.

A situação inicial

Ativamos o Web Application Firewall com alto critério de filtragem e em modo simulação, para que apenas fossem gerados logs, já que não queríamos arriscar um falso positivo.

Eis o resultado:

waf dia1

Tivemos apenas uma tentativa de acesso suspeita. Eis os detalhes do incidente:

log waf dia1

Pelas características do incidente deduzimos tratar-se de um robô, provavelmente sondando vulnerabilidades.

No segundo dia com a ferramenta ativa, percebemos que este tipo de acesso não era raro:

waf dia2

Foram 25 acessos que a ferramenta identificou como suspeitos.

Ao checar os detalhes destes eventos, identificamos o seguinte:
log1 waf dia2
log2 waf dia2

 

Além do acesso de um robô semelhante ao do primeiro dia, também houve tentativas de quebra de senha (brute-force) na área administrativa.

 

O tamanho do problema

Com o tempo o volume de acessos suspeitos foi aumentando consideravelmente. Ainda estávamos utilizando o modo de simulação da ferramenta para termos certeza de que não ocorreriam falsos positivos, ou que caso ocorressem poderíamos identificar e criar uma regra de filtragem que evitasse o falso positivo quando habilitássemos o modo de bloqueio.

Seguimos com o plano inicial, de gerar logs durante uma semana antes de ativar o bloqueio. Veja a que ponto chegamos:


waf dia4

waf dia4 pag2

log waf dia3

 

Sim, 14 páginas de log para o dia 13, apenas uma semana após o início do uso da ferramenta. Mais de 400 tentativas de ataque ao nosso site em apenas um dia.

 

A Solução

A esta altura já tinhamos dados suficientes para configurar uma regra de filtragem específica e então modificar o modo de funcionamento do WAF para “bloquear” ao invés de “simular”:

regra waf login

 

Note que para esta regra específica colocamos o WAF em modo “desafiar” ao invés de “bloquear”.  Isso porque para o tipo de ataque que identificamos, feito via robô, o desafio é uma medida um pouco menos drástica e quase tão eficiente quanto o bloqueio. O resultado desta regra é a exibição desta tela antes de apresentar os campos para autenticação na área administrativa do WordPress:

tela desafio waf

 

Com isso ficamos tranquilos para ativar o bloqueio completo dos acessos suspeitos.

 

Os Benefícios

O resultado, além da segurança da aplicação, é a economia de recursos computacionais e de rede, uma vez que os acessos bloqueados no WAF ficam na borda e não consomem a banda na infraestrutura de hospedagem.

Ou seja, além de proteção você também economiza.

Acreditamos que o uso de WAF não é mais uma opção, mas sim uma necessidade, e quem deixar para depois pode não ter tempo para se arrepender. É melhor prevenir do que remediar!